Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Políticos estimulam apoiadores a ‘pressionar’ Moro por candidatura em 2022

Ex-juiz da Lava-Jato deu prazo até outubro para informar ao Podemos se pretende concorrer à Presidência

Por Laryssa Borges Atualizado em 2 ago 2021, 12h42 - Publicado em 31 jul 2021, 12h01

Senadores e parlamentares do Podemos têm estimulado apoiadores a pressionar o ex-juiz Sergio Moro para que ele se lance candidato à Presidência. O ex-magistrado se deu um prazo até outubro para informar à cúpula partidária se aceita ou não concorrer em 2022, mas até lá a ordem é para que simpatizantes de Moro produzam outdoors, cartazes, adesivos e camisetas em prol da candidatura a fim de medir a aceitação do nome do ex-ministro de Jair Bolsonaro.

“Eu, como senador do Paraná, o Alvaro Dias e muitos outros senadores temos tentado muito falar com o Sergio Moro, pedir ao Sergio Moro que aceite ser candidato a presidente do Brasil. Até agora ele não disse não, mas também não disse sim. Todos que puderem fazer campanha para que o Moro seja candidato a hora de fazer é agora”, disse o senador Oriovisto Guimarães a um recém-criado grupo de apoio ao ex-juiz, formado por médicos. Simpatizantes do ex-juiz também trabalham para que políticos apoiem uma eventual candidatura de Moro. Recentemente, uma das autoridades procuradas foi a deputada estadual Janaína Paschoal, que às Páginas Amarelas de VEJA defendeu o nome do ex-magistrado como representante da terceira via.

Há poucas semanas, Sergio Moro se reuniu com parlamentares do Podemos, em Brasília, para discutir a eventual participação dele nas eleições do próximo ano. Na legenda, porém, a candidatura do ex-juiz está longe de ser unanimidade. Uma das principais ressalvas à entrada de Moro na corrida presidencial é a avaliação de que o lançamento do nome de um personagem que colocou políticos atrás das grades necessariamente provocará menos adesão partidária à candidatura. “Se é um nome mais neutro, é mais fácil de ter convergência. Um nome mais polêmico, como Moro, é mais difícil”, disse, sob reserva, um cacique do Podemos. Outro entrave seria a destinação de boa parte do caixa da sigla a uma candidatura presidencial não necessariamente competitiva em detrimento da construção de palanques estaduais e da eleição de deputados federais.

No entorno do ex-juiz da Lava-Jato também não há consenso sobre a candidatura. Um advogado amigo de Moro, por exemplo, sugeriu – em vão – que ele se filiasse a um partido político ainda em 2020 para sinalizar que estaria disposto a enfrentar Bolsonaro e o ex-presidente Lula na disputa pelo Palácio do Planalto. A esposa de Moro, Rosângela, ainda é considerada a fiel da balança na decisão de ele se lançar a um cargo eletivo. Antes entusiasta da ideia, Rosângela perdeu parte do ímpeto para a candidatura do marido, disseram a VEJA políticos do Podemos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)