Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PGR deve endurecer negociação sobre eventual delação de Cunha

Ex-presidente da Câmara dos Deputados se reuniu nesta terça-feira com advogados para discutir estratégias de defesa, entre elas a possibilidade de delatar

Por Da redação Atualizado em 14 set 2016, 10h17 - Publicado em 14 set 2016, 10h16

Membros da Procuradoria-geral da República (PGR) indicaram que devem endurecer as negociações sobre uma eventual delação premiada de Eduardo Cunha, segundo a edição do jornal Folha de S. Paulo desta quarta-feira. Na avaliação dos procuradores, a tratativa com um dos principais alvos da Operação Lava Jato poderia desgastar a imagem da PGR.

Com a cassação do mandato, o ex-presidente da Câmara dos Deputados perde o foro privilegiado e as ações que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e demais investigações da Lava Jato devem seguir para a primeira instância em Curitiba, com o juiz federal Sergio Moro.

LEIA TAMBÉM:
Renan, sobre Cunha: ‘Afaste esse cálice de mim’
Vídeo: a reação de Cunha à cassação

Segundo o jornal, Cunha se reuniu com seus advogados nesta terça-feira para discutir estratégias de defesa, entre elas a possibilidade de delatar. Publicamente, o ex-deputado nega essa possibilidade.

Segundo integrantes da PGR, um acordo não seria positivo para a instituição, a não ser que Cunha apresente um volume substancial de provas documentais, restitua o dinheiro que, segundo as investigações, desviou da Petrobras —mais de 150 milhões de reais — e cumpra alguns anos de prisão em regime fechado.

Outro fator que pode pesar sobre Cunha são os embates diretos que teve com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reconhecido pelo próprio ex-deputado que admitiu em entrevista que errou em “confrontá-lo exageradamente”. No entanto, o peemedebista indica que pode entregar dossiês sobre figuras políticas importantes, inclusive do centro do governo do presidente Michel Temer.

Continua após a publicidade
Publicidade