Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

PF põe delatores do petrolão frente a frente no Paraná

Por Da Redação - 22 jun 2015, 10h54

A Polícia Federal no Paraná começou, por volta das 10 horas desta segunda-feira, uma acareação entre o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef para tentar esclarecer conflitos de versões sobre a participação da ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci (PT) no escândalo do petrolão. De acordo com depoimento de delação premiada de Paulo Roberto Costa, Roseana recebeu 2 milhões de reais desviados do esquema de fraude na Petrobras para a campanha eleitoral de 2010, após pedido do então ministro de Minas e Energia e atual senador Edison Lobão (PMDB). No caso de Palocci, Costa afirmou que, em 2010, Youssef intermediou, em nome do ex-ministro, propina de 2 milhões de reais para a campanha de Dilma. Os valores deveriam ser retirados da propina de 2% cobrada pelo Partido Progressista (PP) em contratos com a Petrobras. Nos dois casos, porém, Alberto Youssef nega que tenha articulado o repasse dos recursos, embora diga que é possível que Roseana e Palocci tenham sido beneficiados por meio dos serviços de outro doleiro. (Laryssa Borges, de Curitiba)

Publicidade