Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pesquisa que vale para Temer é a do final do mandato, diz Jucá

Líder do governo no Congresso minimiza queda na aprovação do presidente em pesquisa CNT e diz que ele toma medidas duras para concluir a travessia até 2018

Por Da Redação 15 fev 2017, 20h56

O líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), minimizou a pesquisa divulgada nesta quarta-feira pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), que apresentou queda na aprovação do presidente Michel Temer (PMDB) – ele teve 10,3% de “ótimo” e “bom”, contra 14,6% de levantamento de outubro do ano passado.

A rejeição ao governo subiu, passando de 36,7% na pesquisa passada para 44,1% – deste total, 17,6% avalia a administração como “ruim”, enquanto 26,5% classificam o desempenho como “péssimo”. Já para 38,9% dos entrevistados, o governo Temer tem tido uma atuação “regular”. Em relação à aprovação do desempenho pessoal do presidente, também foi registrada uma queda – de 31,7% para 24,4%. Já o número de pessoas que desaprovam subiu de 51,4% para 62,4%.

Jucá considera que o resultado “é retrato do momento”. Para ele, a pesquisa que “vale” para Temer é a que será feita ao final do mandato, em 2018. “A pesquisa que importa do presidente é a do final do mandato, depois de ele ter concluído o papel histórico de fazer a travessia e ter reestruturado o país”, disse.

Segundo ele, Temer é um “estadista”, que toma “medidas duras” e “responsáveis”, pensando no futuro do país e que não irá disputar a reeleição. “Se ele fosse irresponsável, se não fosse estadista, pegaria dois anos do governo PMDB, nós iríamos gastar como gastou o governo do PT, aumentaríamos a dívida pública e deixaríamos tudo para o próximo presidente eleito resolver (…) Estamos fazendo o inverso”, afirmou. Jucá disse “ter certeza” que “o país saberá reconhecer o gesto do presidente Temer em 2018”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade