Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pesquisa Ibope mostra aumento da insatisfação com governo Bolsonaro

Na comparação com abril, subiram as taxas dos que acham o governo 'ruim/péssimo', dos que não confiam no presidente e dos que desaprovam a forma de governar

Por Giovanna Romano - Atualizado em 27 jun 2019, 16h21 - Publicado em 27 jun 2019, 14h45

Pesquisa Ibope divulgada na tarde desta quinta-feira, 27, revela que a insatisfação do eleitorado com a gestão de Jair Bolsonaro (PSL) aumentou entre abril e junho e é a pior desde o início de seu mandato. O percentual de pessoas que avaliam o governo como “ruim/péssimo’ subiu de 27% em abril para 32% em junho – a variação ficou acima da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

De acordo com o Ibope, o percentual de pessoas que avaliam o governo como “ótimo/bom” caiu de 35% em abril para 32% em junho e como regular, aumentou de 31% para 32% – as duas variações ocorreram dentro da margem de erro.

Já o número de pessoas que não confiam no presidente também cresceu de 45% para 51% no mesmo período, enquanto as pessoas que desaprovam a maneira de governar de Bolsonaro subiu de 40% para 48%.

O levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e ouviu 2.000 pessoas em 126 municípios entre os dias 20 e 23 de junho. De acordo com o instituto, a confiança é de 95%. Essa é a segunda pesquisa CNI/Ibope desde que Bolsonaro assumiu a Presidência da República, em janeiro.

Publicidade

Veja a comparação entre as pesquisas:

Em comparação com a última pesquisa, o percentual de pessoas que avaliam o governo como “ótimo/bom” e como “regular” ocorreram dentro da margem de erro de dois pontos para mais ou para menos. Entretanto, o número de pessoas que avaliam o governo como “ruim/péssimo” subiu de 27%, em abril, para 32%, em junho. Como observado no gráfico acima, o resultado se manteve na média de 32% de todas as respostas.

No que diz respeito à maneira de governar de Bolsonaro, no período entre abril e junho, o percentual de desaprovação cresceu de 40% para 48%, enquanto a aprovação recuou de 51% para 46%.

Em dois meses, a confiança no presidente diminuiu. O percentual das pessoas que confiam em Bolsonaro passou de 51% para 46% e dos que não confiam aumentou de 45% para 51%.

Publicidade

Comparação com o governo Michel Temer

Apesar da avaliação negativa do governo Bolsonaro, 47% das pessoas consideram o atual presidente melhor do que o seu antecessor, Michel Temer (MDB) — na Região Sul, o percentual das que avaliam o atual governante melhor que o anterior é o maior, com 63%. Ainda em comparação com a gestão anterior, 33% dos brasileiros acham que a atual administração é “igual”, 17% dos entrevistados disseram que é “pior” e 3% não sabem ou não responderam.

De acordo com a pesquisa, em um comparativo com a avaliação de governo desde José Sarney, Bolsonaro se mantém na média das pessoas que avaliam o governo como “ruim ou péssimo” (com 32%). O pior presidente avaliado desde 1986 foi Temer, que ultrapassou a marca de 80% em seus últimos meses de mandato. Já Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi o presidente mais bem avaliado da história, alcançando menos de 10% de reprovação.

Publicidade