Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

OUÇA: “O brasileiro viajando é um canibal”, disse Vélez Rodríguez

Ao contrário do que afirmou hoje o ministro da Educação, suas declarações nas Páginas Amarelas de VEJA não foram colocadas "fora de contexto"

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, foi notificado pelo Supremo Tribunal Federal para esclarecer as declarações que deu em entrevista a VEJA na edição que chegou às bancas e à internet em 1º fevereiro. Na entrevista, Vélez afirmou o seguinte: “O brasileiro viajando é um canibal. Rouba coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião; ele acha que sai de casa e pode carregar tudo”.

Ricardo Vélez Rodrígues O trecho da entrevista que motivou questionamentos da oposição

O trecho da entrevista que motivou questionamentos da oposição (VEJA/Reprodução)

A declaração causou enorme repercussão. No Congresso, parlamentares da oposição defenderam a convocação do ministro para prestar explicações. O deputado Alessandro Molon, do PSB do Rio de Janeiro, já colheu mais de 171 assinaturas para obrigar Vélez a ir ao plenário. “São declarações inaceitáveis de um ministro estrangeiro que é naturalizado e não respeita os brasileiros”, diz Molon.

Durante todo barulho provocado pela entrevista, Vélez não lançou mão da velha cartada de culpar a imprensa. VEJA, em sua Carta ao Leitor na edição seguinte, datada de 13 de fevereiro, fez uma menção elogiosa ao comportamento do ministro neste aspecto. Escreveu a revista: “Registre-se que Vélez, diante da torrente de críticas que recebeu, não recorreu ao esfarrapado subterfúgio de culpar VEJA, alegando que sua ‘declaração foi distorcida’ ou que foi tirada de seu ‘devido contexto'”. Pois o ministro acaba de fazer o que não devia.

Através do Twitter, Vélez, que é colombiano naturalizado brasileiro, disse que ama o Brasil, pediu desculpas “a quem tiver se sentido ofendido” por suas declarações e alegou – dezessete dias depois da publicação das Páginas Amarelas – que suas palavras foram retiradas do contexto por VEJA.

Para efeito de clareza ou motivos de espaço, a revista edita a fala de seus entrevistados, mas não altera seu sentido nem seu espírito – como se pode constatar na gravação ao final desta página.

Na parte da entrevista que provocou a polêmica, Vélez defendia a volta da disciplina de moral e cívica nos currículos escolares – o que ele chama de “educação para a cidadania”. Ao explicar a necessidade de ressuscitar a matéria, o ministro deu como exemplo o comportamento dos brasileiros, sobretudo os jovens, em viagens ao exterior. E disse, literalmente, o que VEJA publicou.

Ouça abaixo a gravação do trecho da entrevista que mais repercutiu e leia sua respectiva transcrição:

 

“Quais são os nossos heróis? Porque temos heróis. O PT tentou destruir os heróis, mas temos heróis. Carla Camurati colocou dom Joãozinho como um reles comedor de frango, sem nenhuma serventia. Ele era estadista. Ele comia frango, mas era um grande estadista, um grande herói. Um homem que liberou os portos, abriu a economia brasileira, permitiu que isto fosse uma herança, Reino Unido de Portugal, Algarves e Brasil. Era uma coisa fantástica manterem unido o nosso território. É um herói. Em educação moral e cívica, em educação para a cidadania, o primeiro capítulo é esses contextos fundamentais da nacionalidade, como eu disse. Segundo pacote: hoje, adolescente viaja. Então é necessário lembrar que há contextos culturais diferentes e que tem que respeitar as leis dos outros. O brasileiro viajando é um canibal. Um canibal. Rouba coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião. Traz tudo de lembrança. Ele sai da porta de casa e pode carregar tudo. Então, isso é um pacote de educação para a cidadania do fundamental”.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. AUGUSTO RIBEIRO

    O brasileiro, e o velho problema de não suportar ouvir a verdade. O velho bairrismo que empurra o Brasil ladeira abaixo.

    Curtir