Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Odebrecht pediu que Pastor Everaldo ajudasse Aécio em debate

Delator diz que grupo Odebrecht considerou doação desproporcional ao desempenho eleitoral do candidato e, se julgando 'credor', cobrou apoio a tucano

Em colaborações premiadas à Justiça, 78 executivos e ex-executivos do grupo Odebrecht informaram uma série de doações eleitorais – oficiais e não oficiais – para candidatos e partidos políticos, que ultrapassaram 450 milhões de reais. Em troca, uma série de contrapartidas, como a defesa de interesses da empreiteira e a aprovação de projetos de lei. Revelado por Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental, um pedido surpreende: o grupo Odebrecht pediu que o candidato do PSC à Presidência da República em 2014, Pastor Everaldo, ajudasse Aécio Neves (PSDB) em um debate presidencial daquele ano.

De acordo com o depoimento de Reis aos procuradores, o valor pago pela companhia ao religioso – seis milhões de reais em caixa 2, como adiantado pela coluna Radar On-Line no mês passado – foi considerado desproporcional para o desempenho eleitoral do candidato nas pesquisas, “uma contribuição muito grande para quem tem pouco para dar”.

A solução foi o pastor colaborar de outra forma. “Como a gente se sentia credor por ter contribuído tanto para a campanha dele, nós sugerimos que usasse o debate sempre para perguntar ao candidato Aécio porque aí daria mais tempo ao Aécio. E analisando a transcrição do debate do primeiro turno se nota que ele fez perguntas absolutamente simples e inócuas para que o candidato Aécio pudesse ter tempo na televisão”, afirmou.

Fernando Reis contou que conheceu Pastor Everaldo a partir de uma indicação do então deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e que,  no sistema de pagamentos irregulares da empreiteira, ele era identificado pelos codinomes “Zelota” e “Aquário 2”. Questionado se o tucano era o candidato da Odebrecht, o executivo afirmou desconhecer que a construtora tivesse um nome de preferência, mas que a intenção neste momento era que o segundo turno tivesse a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o nome do PSDB.

Outro lado

Em nota enviada ao site de VEJA, a assessoria do PSDB afirmou que o senador Aécio Neves participou de todos os debates e respondeu às perguntas de todos os candidatos. Ele declarou também que “sabidamente a campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff foi a principal beneficiada com recursos da empresa Odebrecht em 2014. Marcelo Odebrecht informou o pagamento de pelo menos 150 milhões de reais para a campanha da ex-presidente”.

O senador afirmou que não tinha conhecimento sobre doações da Odebrecht para outras campanhas. “Registramos ainda que, em suas delações, Marcelo Odebrecht e Benedicto Júnior afirmaram que o candidato do PSDB não recebeu uma contribuição da empresa no valor de 15 milhões porque se recusou a receber recursos no exterior”, diz a nota.

O Pastor Everaldo não foi encontrado para comentar as novas acusações. Em nota publicada em suas redes sociais, o PSC afirma que “todas as doações recebidas pela campanha do Pastor Everaldo, em 2014, obedeceram à legislação vigente” e que o partido “reafirma seu compromisso com a ética na política e sua confiança na Justiça, que obrigará as pessoas envolvidas em acordos de colaboração a comprovar as supostas acusações”. Pelo twitter, o religioso questionou os valores apontados, alegando que a “campanha de 2014 custou menos de dois milhões. É um absurdo alguém dizer que recebi seis milhões.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luiz Carlos Trindade

    Esse pastor é um flateador barato

    Curtir