Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nem 65%, nem 26%: 12% dos paulistanos concordam que mulher com roupa curta merece ser atacada

É o que diz pesquisa do Datafolha, que refez em São Paulo a desastrada enquete formulada pelo Ipea

Por Da Redação
13 abr 2014, 16h41

Nem 65%, nem 26%: 12% dos paulistanos concordam total ou parcialmente que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”, segundo o Datafolha, que refez em São Paulo a desastrada enquete formulada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Órgão do governo federal, o Ipea divulgou no final de março que a maioria dos brasileiros concordava com essa frase, o que motivou protestos, mobilizou artistas e autoridades, entre elas a presidente Dilma Rousseff, e teve ampla repercussão nas redes sociais e na imprensa internacional. Nove dias depois, o instituto admitiu ter errado a tabulação: 26%, e não 65%, concordavam com a frase.

O Datafolha também procurou contornar a imprecisão da pergunta original do Ipea. Além de “atacadas”, a nova pesquisa quis saber se os entrevistados concordavam que mulheres em roupas provocantes merecem ser “estupradas”. Resultado: uma fatia menor, 9%, concordou total ou parcialmente com a frase. Os números da pesquisa do Datafolha não desautorizam necessariamente a enquete do Ipea. Uma foi feita em São Paulo – a do Datafolha -, e a outra tem caráter nacional, entre outras diferenças metodológicas. A pesquisa do Datafolha foi feita no dia 7 de abril com 798 moradores maiores de 16 anos, e a margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

“Encoxadores” – Segundo o Datafolha, mais da metade dos moradores de São Paulo (53% deles) disseram que já foram vítima de algum tipo de assédio sexual. 49% das mulheres disseram que já foram assediadas no transporte público. Ao serem questionados se os trens deveriam ganhar um vagão exclusivo para mulheres nos horários de pico, 73% dos paulistanos revelaram ser favoráveis à medida – o vagão feminino é adotado, por exemplo, no Rio de Janeiro e no Distrito Federal. 86% dos entrevistados concordaram que “homens se aproveitam de ambientes com muita gente, como trens, ônibus e metrô, para ‘encoxar’ e apalpar mulheres”.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: O país dos estupradores inventado pelo Ipea

Felipe Moura Brasil: A verdadeira cultura do estupro

Felipe Moura Brasil: O Relatório Moura Brasil sobre a pesquisa fajuta do IPEA

Continua após a publicidade

Rodrigo Constantino: O estupro é culpa da mulher seminua? Não! Mas…

Quem são os ‘encoxadores’ do metrô

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.