Clique e assine a partir de 9,90/mês

“Não há endireitamento do PSDB”, afirma João Doria em convenção

Em evento em Brasília, partido lançou o manifesto "Acima de tudo, democracia"

Por da Redação - 7 dez 2019, 21h51

O governador de São Paulo, João Doria, afirmou neste sábado que o PSDB não deveria ser rotulado como um partido de direita. “Quem aposta nisso está errando. O Brasil não pode viver na conflagração e no Fla-Flu permanente. O extremo não vai conduzir o Brasil a nenhum campo. Não há endireitamento do PSDB”, disse Doria em convenção da legenda realizada em Brasília. 

Fazendo um contraponto ao slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro – “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos” -, o PSDB também lançou hoje o manifesto “Acima de tudo, democracia”, que foi lido pelo presidente do partido, Bruno Araújo.

O documento admite um “compromisso com a recuperação do país” e traz duras críticas aos governos que adotam posições autoritárias e proclama que os tucanos estarão do lado oposto ao das atitudes anticivilizatórias.

“Sempre que o governo, qualquer governo, investe contra as instituições, age com desrespeito e intolerância, ameaça a nossa democracia, as liberdades, adota iniciativas e atitudes autoritárias e anticivilizatórias, o PSDB esteve, está e estará do lado diametralmente oposto”. O partido diz ainda que não aceitará qualquer tentativa de retorno “aos tempos sombrios do autoritarismo”.

Continua após a publicidade

Questionado sobre a concorrência nas próximas eleições presidenciais, João Doria respondeu que ainda era cedo para  discutir nomes. “Foco integral em gestão e eficiência: isso será determinante nas futuras eleições gerais. Porque experiência é importante. Não podemos ter em 2022 testes”, disse ele, em entrevista dada ao jornal O Estado de S. Paulo. Doria também declarou que o liberalismo é “o campo que pode mudar o Brasil, na geração de empregos e oportunidades”. 

Como esperado, o governador de São Paulo foi a principal figura na convenção. Também estiveram presentes os governadores Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul; Reinaldo Azambuja, do Mato Grosso do Sul; e alguns prefeitos do PSDB e militantes de grupos temáticos como o de negros, mulheres e LGBT.

Por estar em tratamento de recuperação de um câncer, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, não compareceu no congresso, mas enviou um vídeo no qual discorreu sobre projetos econômicos da sua gestão. No fim, ele foi aplaudido pela plateia.

Publicidade