Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Moro manda investigar estelionato contra filha de Bendine

Amanda Bendine recebeu e-mail em que um criminoso, se passando por seu pai, pediu depósito de R$ 700.000 para 'garantir' habeas corpus no STF

Por Da redação Atualizado em 7 ago 2017, 19h06 - Publicado em 7 ago 2017, 18h40

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, determinou nesta segunda-feira que seja instaurado inquérito para investigar a tentativa de estelionato contra uma das filhas do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine, preso na 42ª fase da Lava Jato e suspeito de receber propina de 3 milhões de reais da empreiteira Odebrecht.

Amanda Bendine, uma das filhas do ex-executivo das estatais, recebeu do endereço aldemirbendine63@bol.com.br um e-mail em que o remetente, dizendo ser seu pai, pedia que sua mãe, Silvana Bendine, transferisse 700.000 reais a uma conta do Banco do Brasil em nome de “Alexandre Inácio”.

O falso Bendine, que disse contar com a ajuda de um agente da Polícia Federal no envio da mensagem, explicou que o valor seria destinado a “garantir o habeas corpus domiciliar” no Supremo Tribunal Federal (STF). “Eu já tinha combinado o valor com eles”, acrescentou.

Amanda encaminhou a correspondência eletrônica à advogada Cláudia Vara San Juan Araújo, que defende Aldemir Bendine. Na última sexta-feira, Cláudia e Pierpaolo Bottini, que também integra a defesa, pediram ao juiz federal Sergio Moro as quebras do sigilo eletrônico do e-mail falso e do sigilo bancário da conta indicada para depósito.

“Evidentemente, pessoa mal intencionada, em posse das informações divulgadas pela mídia – tais como o nome dos familiares do Peticionário e destes defensores – está se fazendo passar por Aldemir Bendine, seja para obter vantagens indevidas em prejuízo de seus familiares – que de forma desavisada poderiam ter realizado o depósito – seja para agravar sua situação nesses autos”, escreveram os advogados a Moro.

Depois de receber a decisão do magistrado pela abertura do inquérito, o delegado da Polícia Federal Filipe Hille Pace informou a Sergio Moro que encaminharia o e-mail apresentado pela defesa de Bendine à Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado.

De acordo com Hille Pace, a Justiça Federal não pode investigar o estelionato tal qual praticado contra a filha de Aldemir Bendine porque o caso não atende a três requisitos que definem a competência da apuração de um crime cibernético em esfera federal. “A mera prática delitiva em ambiente da Internet não e suficiente para a atração da competência da JF”, escreveu o delegado da PF.

Reprodução/Reprodução
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês