Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Monarquistas vão às ruas por Bolsonaro e CPI da Lava Toga

Em entrevista a VEJA, Rodrigo Dias, vice-chanceler da Confederação Monárquica, afirmou que 'quando há uma mobilização, há atenção da classe política'

A Confederação Monárquica no Brasil é um dos movimentos que está convocando sua militância para os atos em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, agendados para o domingo 26. O movimento convocou manifestações para 18 estados e para o Distrito Federal.

Em entrevista a VEJA, o vice-chanceler do movimento, Rodrigo Dias, afirmou que o discurso anticorrupção ocupa o centro da pauta que será defendida nos atos. “Defendemos que o Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras] permaneça com o ministro Sergio Moro e que a Receita Federal tenha poder de investigação junto ao Ministério Público”, afirma Dias.

Em uma derrota para Moro, nesta quarta-feira 22, os deputados aprovaram, por 228 votos a 210, o retorno do Coaf para o Ministério da Economia, de Paulo Guedes.

Na sessão desta quinta-feira, 23, os parlamentares retiraram do texto da Medida Provisória (MP) 870, que trata da reforma administrativa do governo Bolsonaro, o destaque que limitava os auditores fiscais à investigação de crimes tributários, sendo eles proibidos de atuar em indícios de delitos de outra natureza e de informar ao Ministério Público sobre indícios destes crimes.

Os monarquistas também são favoráveis à instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o Judiciário, iniciativa que já circulou no parlamento brasileiro e que ficou conhecida como CPI da Lava Toga.

Na avaliação de Dias, porém, pautas mais radicais como a defesa do fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), não representam um “fato concreto”. “Tenho acompanhado de perto o engajamento nas redes sociais, as convocações de diversos movimentos e não vi nada neste tom, não é um fato concreto”, afirmou.

Na avaliação de Dias, a aprovação pelo plenário da Câmara da MP de Bolsonaro que reduz de 29 para 22 o número de ministérios é um sinal de que “os parlamentares estão atentos”. “Quando há uma mobilização, há atenção da classe política, como consequência”, afirmou.

Para ele, os atos de domingo podem ser “fundamentais” para que o Coaf volte ao comando de Moro. O texto, aprovado pela Câmara, segue para análise no Senado.

Monarquia no Brasil

Questionado por VEJA sobre quem comandaria o Brasil em caso de um retorno da monarquia, Rodrigo Dias afirmou que o movimento defende o “respeito ao processo histórico na mudança para o parlamentarismo monárquico”.

O atual chefe da Casa Imperial Brasileira é D. Luiz de Orléans e Bragança. Por isso, em uma eventual volta da monarquia, ele seria o imperador brasileiro.

Dias fez questão de descartar que o trono brasileiro possa ser ocupado pelo presidente Jair Bolsonaro ou por qualquer um de seus aliados, mas afirmou que “não há uma figura que reivindique o posto”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. FRANCISCO EDINALDO DINIZ DA COSTA

    Viva a Casa Imperial do Brasil.

    Curtir