Clique e assine a partir de 8,90/mês

Mantega foi retirado de hospital para ser preso

Ex-ministro da Fazenda acompanhava a mulher, que passava por uma cirurgia. Ele foi detido temporariamente na nova fase da Lava Jato, batizada de Arquivo-X

Por Da redação - Atualizado em 22 set 2016, 09h47 - Publicado em 22 set 2016, 08h43

Os agentes da Polícia Federal retiraram o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega de dentro do Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, para prendê-lo na 34ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta manhã. Mantega estava no hospital acompanhando a mulher, que passa por uma cirurgia.

Por volta das 9h30, o ex-ministro chegou à sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. Ele deve ser levado ainda hoje para Curitiba, sede das apurações da Lava Jato.

Os agentes federais pretendiam prender o ex-comandante da Fazenda na casa dele, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo, mas no local só estava o filho de Mantega, que é menor de idade. Por isso, seguiram para o hospital. Chegando lá, entraram em contato com o ex-ministro por telefone e ele se apresentou espontaneamente na portaria do edifício. Em seguida, Mantega e os policiais foram até o apartamento, onde foi cumprido o mandado de busca e apreensão.

A PF informou que, tanto na casa de Mantega, quanto no hospital, o procedimento foi “discreto, sem qualquer ocorrência e com integral colaboração do investigado”.

Leia também:
Mantega usou cargo de ministro para favorecer amigo empresário, aponta Zelotes

A Arquivo-X, como foi batizada essa nova ação, apura irregularidades em dois contratos assinados entre a Petrobras e o consórcio Integra Offshore, formado pela OSX e Mendes Júnior, para a construção das plataformas P-67 e P-70 para a exploração das reservas do pré-sal. Segundo a investigação, em meados de 2012, Mantega negociou com as empresas contratadas pela estatal para repassar recursos para pagamentos de dívidas de campanha. Entre as suspeitas de crimes, estão a prática de corrupção, fraude em licitações, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

O ex-comandante da Fazenda foi citado em depoimento prestado pelo empresário Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, ao Ministério Público Federal (MPF). Segundo Eike, ele recebeu, em novembro de 2012, um pedido de Mantega, que era presidente do Conselho de Administração da Petrobras, para que fizesse um pagamento de 5 milhões de reais para o PT.

Conforme revelou VEJA, Mantega também foi citado na proposta de delação premiada do marqueteiro João Santana e de sua esposa Mônica Moura. De acordo com o casal, o ex-comandante da Fazenda foi designado pela ex-presidente Dilma Rousseff para cuidar da arrecadação do caixa dois da campanha de 2014 junto aos empresários.

O nome da operação, “Arquivo-X”, é uma referência à empresa OSX, de Eike, que costumava batizar as suas companhias sempre com a letra “X”, um sinal de multiplicação de riquezas, segundo ele.

Continua após a publicidade
Publicidade