Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jefferson diz estar doente e volta a pedir perdão judicial

Advogados alegam que prisão seria 'a pena de morte' para ex-parlamentar

O ex-deputado federal Roberto Jefferson foi o primeiro réu do mensalão a entregar recurso nesta fase final do processo. O mensaleiro voltou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o perdão judicial. A prisão, argumentam seus advogados, pode se transformar “em uma verdadeira pena de morte” para Jefferson.

Condenado a 7 anos e 14 dias pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Jefferson afirma ser portador de síndrome metabólica, quadro caracterizado por diabetes, alto nível de gordura no sangue, hipertensão arterial e histórico de obesidade. Os advogados também citam que, em 2012, Jefferson passou por tratamento para combater um câncer no pâncreas. Desde então, o ex-parlamentar toma remédios para diabetes, para pressão e suplementos vitamínicos.

Leia mais:

Saiba como os embargos infringentes podem beneficiar os réus

Confira as penas de cada um dos réus

“Ressaltamos que o uso diário das medicações prescritas assim e o acompanhamento médico regular pela equipe assistente são fundamentais para a manutenção da estabilidade clínica do paciente, sob o risco de agravamento potencialmente de seu quadro de saúde”, afirmam os médicos que o atendem.

O novo recurso de Jefferson é o primeiro da leva de embargos que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, afirmou que seriam meramente protelatórios. Os recursos devem ser rejeitados, o que abrirá caminho para a prisão imediata de Jefferson e outros doze condenados que não têm direito a novo julgamento.

Jefferson afirma que suas declarações à época da revelação do escândalo do mensalão foram fundamentais para a descoberta do esquema e a consequente punição dos envolvidos. Por isso, sua pena foi reduzida em um terço. A defesa sustenta que, em razão de sua ajuda, a punição poderia ser perdoada ou reduzida em pelo menos dois terços.

“Não há qualquer razão para que não se tenha ofertado ao embargante o perdão judicial nos moldes previstos pela própria Lei de Regência. O que mais se poderia exigir das declarações do embargante?”, questiona a defesa.

Jefferson já havia pedido o perdão judicial ou a redução de sua pena nos primeiros recursos, julgados no mês passado. A possibilidade de perdão ou de diminuição maior da pena foi rejeitada pela maioria dos ministros.

(Com Estadão Conteúdo)