Clique e assine com até 92% de desconto

Governo faz ofensiva para manter veto ao reajuste do Judiciário

Ministro Ricardo Berzoini articula votos favoráveis de deputados e senadores na sessão parlamentar desta quarta-feira

Por Laryssa Borges 29 set 2015, 15h46

Depois de ter conseguido manter vetos considerados temerários do ponto de vista fiscal, como a flexibilização do fator previdenciário, o Palácio do Planalto montou uma ofensiva nesta terça-feira para convencer os parlamentares a manter vetos que têm alto impacto no caixa do governo, como o reajuste de até 78,5% para servidores do Poder Judiciário. Ministros e líderes governistas passarão o dia em ligações e em um corpo a corpo no Congresso para evitar que parlamentares derrubem o veto que envolve aumento.

Ministros da área econômica e a nova composição palaciana da articulação política – com Ricardo Berzoini (PT) à frente – têm conversado com deputados e senadores para garantir votos suficientes para a manutenção dos vetos. A sessão parlamentar para a apreciação das decisões presidenciais está agendada para a manhã desta quarta-feira.

“Vamos trabalhar até amanhã às 11 horas para manter os vetos. Manter os vetos passou a ser uma questão essencial para o país. Passou a ter velocidade enorme e forte impacto na política e na economia”, disse o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE).

As tratativas para a manutenção dos vetos presidenciais serão direcionadas em especial à bancada do PMDB, que exige maior participação na Esplanada dos Ministérios na reforma administrativa a ser anunciada esta semana. A presidente Dilma Rousseff se reuniu nesta terça com o vice-presidente Michel Temer, mas a decisão final sobre o espaço que a legenda deve ser anunciada somente após a sessão de vetos. O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, disse aos líderes partidários que a presidente Dilma está cuidando pessoalmente do novo xadrez para o primeiro escalão.

Berzoini e o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), se reuniram com parlamentares para pedir a manutenção dos vetos. Eles afirmaram que a futura composição do governo garantirá uma espécie de “nova governabilidade” e poderá abrir caminho para menores resistências na votação do pacote fiscal do governo. “Será uma reforma para cortar gastos e atender à nova governabilidade. A nova governabilidade é essencial para a rigidez nas medidas que estão sendo tomadas para a retomada da economia brasileira”, disse Guimarães.

Continua após a publicidade
Publicidade