Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Governo chama especialistas para “aprimorar” MP dos Médicos

Depois de encaminhar proposta para o Congresso, Aloizio Mercadante, ministro da Educação, quer ouvir uma comissão formada por diretores de faculdades de medicina

Por Da Redação 16 jul 2013, 22h54

Alvo da mais nova batalha da presidente Dilma Rousseff com a classe médica, a MP dos Médicos será discutida por uma comissão formada por diretores de faculdade de medicina de universidades federais e integrantes do governo federal, informou nesta terça-feira o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. O objetivo é “aprimorar” as propostas que o governo encaminhou ao Congresso.

Conforme previsto na medida provisória, o curso de medicina passará de seis para oito anos a partir de 2015. Concluído o curso de seis anos, o estudante passa para um segundo ciclo, de dois anos, onde terá de atuar em serviços públicos de saúde. A exigência do segundo ciclo será universal: tanto para estudantes de instituições da rede pública como da rede privada da ensino.

O programa, batizado de Mais Médicos, inclui ainda o recrutamento de profissionais estrangeiros para trabalhar em áreas prioritárias. É criticado por entidades como o Conselho Federal de Medicina (CFM), em atrito com a presidente desde à sanção com vetos ao projeto do Ato Médico, que regulamenta o exercício da medicina.

Leia também:

O viés autoritário de Mercadante

Uma decisão ditatorial de Dilma

“Estamos discutindo com os especialistas, (a MP do Mais Médicos) foi muito acolhida e vamos discutir no âmbito do Congresso Nacional, que terá a palavra final. Vamos lutar por essa concepção, acho que o povo precisa de mais médicos, nós precisamos melhorar a formação dos médicos”, afirmou Mercadante, antecipando que a comissão será formada por integrantes da federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Ceará. “No Brasil, 1,7% dos médicos são estrangeiros, a participação é pequena.”

Continua após a publicidade

Lembrando as discussões acaloradas com a adoção de cotas nas universidades e a implantação do ProUni (que concede bolsas em instituições privadas de ensino superior), o ministro afirmou que as “mudanças mais importantes na educação não foram fáceis”.

“Sofremos todo tipo de resistência ao Enem, que hoje é uma grande conquista; a política do ProUni também foi muito difícil implantar; a política de cotas, foram 13 anos pra aprovar, e agora estamos mostrando que os estudantes cotistas têm praticamente a mesma nota que os não cotistas. Foram várias disputas difíceis e essa também é uma disputa difícil”, afirmou o ministro.

Leia ainda:

Alunos de medicina terão de atuar por dois anos no SUS

Dilma sanciona Ato Médico, mas veta diagnóstico exclusivo

Indagado se os estudantes de medicina que são de classe alta teriam preconceito contra a rede pública, o ministro desconversou: “Espero que não, acho que vão ter uma grande experiência de vida trabalhando no SUS. É um sistema generoso, solidário, poucos países do mundo têm um sistema de saúde tão amplo. Agora para ter um sistema como esse precisa de mais médicos pra atender a população.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade