Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

General Rêgo Barros, porta-voz da Presidência, está com coronavírus

Ele se recupera em casa e não apresenta sintomas graves da doença, informou o Palácio do Planalto

Por Da redação Atualizado em 6 Maio 2020, 17h42 - Publicado em 6 Maio 2020, 17h28

O porta-voz da Presidência, general Otávio Santana do Rêgo Barros, testou positivo para coronavírus após realizar exame na segunda-feira 4. De acordo com o Palácio do Planalto, que confirmou a informação, ele está em casa e “sem sintomas que mereçam maiores preocupações”.

O general é mais um integrante da Presidência a contrair a doença. Em março, após viagem da comitiva presidencial aos Estados Unidos, 17 integrantes testaram positivo no retorno ao Brasil. O primeiro a ser diagnosticado foi o secretário de Comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten.

  • Também foram infectados o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, Samy Liberman, secretário especial adjunto de Comunicação Social da Presidência, e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. 

    ASSINE VEJA

    Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
    Clique e Assine

    O presidente Jair Bolsonaro, a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a filha do casal também foram testados na ocasião e os resultados deram negativo, segundo o Palácio do Planalto. Diante das polêmicas criadas em torno dos exames, a Justiça Federal de São Paulo emitiu liminar na semana passada que obrigava o presidente a mostrar o resultado do exame.

    Em vez disso, foi apresentado um laudo médico, considerado insuficiente pela Justiça que cobrou novamente os documentos. A liminar foi suspensa após recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), no último sábado, 2, e o presidente se tornou desobrigado de provar que não contraiu a doença. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade