Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Frente pró-Lula reúne 15 partidos e vira o diferencial petista na disputa

Com destaque para Tebet, a barca política ganhou também o apoio do PDT, do Cidadania, de lideranças do PSD em vários estados e de tucanos como FHC

Por Reynaldo Turollo Jr., Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 out 2022, 08h00

Com 4,9 milhões de votos no primeiro turno (4,16% do total), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) chegou em terceiro lugar na corrida presidencial, a despeito de toda a resistência que enfrentou em seu próprio partido e da longa disputa para se firmar como o nome da terceira via. Aconselhada por pessoas próximas a se manter distante do segundo turno entre Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro e guardar o capital político que conquistou para a eleição de 2026, Tebet foi rápida ao dizer que o momento não permitia que se omitisse. Anunciou apoio ao petista, deu declarações ao lado do ex-presidente e assumiu um protagonismo nesta etapa que ajuda a unificar o MDB. Respaldada pela cúpula da legenda e vista como um apoio crucial por integrantes da frente ampla que Lula busca construir, a senadora em fim de mandato já se sente à vontade para criticar os rumos da campanha, sugerindo que a candidatura tenha menos vermelho e menos PT, para passar uma imagem de amplitude à candidatura e reduzir o impacto do antipetismo. A ideia foi acatada pelo partido.

arte alianças

Antes de se tornar aliada estratégica, Tebet obteve uma importante vitória interna. Apesar de o MDB ter liberado seus quadros para apoiarem Lula ou Bolsonaro, ela teve o endosso da direção para falar como uma “liderança nacional consolidada” — assim descrita em uma nota pelo presidente da sigla, deputado Baleia Rossi. A interlocutores, Baleia lamentou não ter conseguido um apoio uníssono a Lula. Prevaleceu o entendimento de que forçar a barra provocaria reação contrária dos emedebistas próximos do bolsonarismo, principalmente no Sul. Na prática, porém, o MDB tem mantido a estrutura da campanha de Tebet para auxiliar a de Lula. O marqueteiro da emedebista, Felipe Soutello, vem se reunindo com integrantes da equipe petista, e os perfis da senadora nas redes continuam a publicar mensagens críticas a Bolsonaro.

FAÇA O “L” - Lara Resende (à frente) e Neca Setubal, do Itaú (de vermelho): reforço -
FAÇA O “L” - Lara Resende (à frente) e Neca Setubal, do Itaú (de vermelho): reforço – (Ricardo Stuckert/.)

O apoio vai ganhar outra escala nos próximos dias, quando Tebet deverá ir às ruas para pedir votos a Lula. Ela deve participar de agendas organizadas pelo PT no Rio, em Belo Horizonte e Manaus — nessa última, ao lado do ex-presidente. Já em São Paulo, onde ela teve votação superior à nacional (6,34%), não há expectativa de subir no palanque, porque o MDB apoia o bolsonarista Tarcísio de Freitas (Republicanos). Há previsão, no entanto, de que ela participe de eventos com o candidato a vice na chapa, Geraldo Alck­min (PSB), e com a deputada federal eleita Marina Silva (Rede-SP). Além de percorrer o país, é dado como certo que a nova aliada aparecerá também no horário eleitoral de Lula.

A aproximação com o ex-presidente, no contexto da formação de uma frente anti-Bolsonaro, tem sido encarada por lideranças emedebistas como uma oportunidade de reconciliação entre os dois partidos. O MDB teve a Vice-Presidência nas duas gestões de Dilma Rousseff, até a ruptura causada pelo impeachment e pela ascensão de Michel Temer — que, aliás, não declarou em quem vai votar. O apoio do partido é importante para um eventual governo Lula porque o MDB elegeu a quarta maior bancada da Câmara (aumentou o número de deputados de 37 para 42) e terá a terceira maior no Senado (dez parlamentares), além de governadores como Helder Barbalho, no Pará, o campeão nacional de votos no primeiro turno (reeleito com 70,41%) e que declarou apoio a Lula.

Continua após a publicidade
HISTÓRICO - FHC e Lula: rivais em 1994 e 1998 fecham aliança contra Bolsonaro -
HISTÓRICO - FHC e Lula: rivais em 1994 e 1998 fecham aliança contra Bolsonaro – (Ricardo Stuckert/.)

A extensão, mesmo que informal, da aliança em torno de Lula não foi só em direção ao MDB. A candidatura ganhou também o apoio do PDT (embora Ciro Gomes esteja ausente da campanha), do Cidadania (que apoiara Tebet) e de lideranças do PSD em vários estados, como o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. Além disso, embora o PSDB esteja fragmentado, Lula recebeu a adesão de lideranças históricas, como o ex-presidente FHC e os senadores José Serra e Tasso Jereissati. Os dois primeiros foram adversários de Lula em campanhas presidenciais, o que reforça o simbolismo político dos apoios. Com isso, a barca lulista, que já navegava com dez partidos, tem hoje ao menos quinze legendas envolvidas com a sua candidatura.

Afora o mundo político, a campanha vem conseguindo o embarque também de um amplo leque de economistas, advogados, empresários e outros representantes da sociedade civil. Um dos mais recentes acenos foi o encontro que reuniu em São Paulo uma variedade de nomes, como o economista André Lara Resende — um dos pais do Plano Real —, a herdeira do grupo Itaú Neca Setubal, o empresário Paulo Marinho — suplente do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) — e associações de defesa da educação. Para as próximas semanas, vem sendo negociado ainda um encontro com os outros três “pais” do Plano Real, que já declararam apoio: Persio Arida, Edmar Bacha e Pedro Malan — além de Arminio Fraga e Henrique Meirelles. Os responsáveis por aglutinar os apoios têm sido Marina Silva, Alckmin e os petistas Fernando Haddad e Aloizio Mercadante. Para coordenadores da campanha, a ampliação de apoios das mais diversas origens é uma boa estratégia. A declaração de FHC foi considerada um trunfo — em breve, deverá ser divulgado um vídeo do encontro dele com Lula. “São três coisas fundamentais para a vitória. Primeiro, é continuar nas ruas, como o presidente está fazendo. Segundo, potencializar cada vez mais as adesões que temos recebido, como a de FHC. E, terceiro, calibrar o desempenho nos debates”, diz o deputado José Guimarães (PT-CE).

SORRIA - O ex-Casseta Marcelo Madureira: de crítico a apoiador do PT -
SORRIA - O ex-Casseta Marcelo Madureira: de crítico a apoiador do PT – (Ricardo Stuckert/.)

O apoio do batalhão “liberal” de economistas é visto como a cereja do bolo, mas também acende o alerta sobre o tipo de desafios que um eventual governo “Lula 3” terá para acomodar a miríade de partidos e visões distintas sobre os problemas e as soluções para o país. O ex-presidente, por exemplo, tem se posicionado firmemente contra o teto de gastos, enquanto o “time dos sonhos” que almeja na Economia é categoricamente contrário ao fim da limitação do crescimento das despesas públicas. A expectativa é que, até novembro, não haja nenhum anúncio sobre a escolha de ministros, o que poderia ajudar a clarear a futura divisão de poder e os rumos de um eventual governo. Alguns candidatos, porém, são ventilados, como a própria Tebet, que, com trânsito no agronegócio, refratário ao petismo, é vista como um nome promissor para a Agricultura.

Continua após a publicidade

Além do significado político, a pergunta que se impõe é quanto essas adesões de última hora podem se traduzir em ganho eleitoral. Alianças e apoios heterogêneos não significam transferência automática de votos. O eleitor leva em conta uma série de aspectos, como questões econômicas, morais e religiosas, na hora de decidir em quem votar. Em 2002, Lula venceu o primeiro turno com 39 milhões de votos, contra 19 milhões de José Serra (PSDB). Mesmo com o apoio de Anthony Garotinho (então no PSB) e Ciro Gomes (no PPS), terceiro e quarto colocados e que tiveram juntos 25 milhões de votos, o petista fechou o segundo turno com 52 milhões de votos. O tucano recebeu 33 milhões.

FRENTE AMPLA - Connor Kennedy, sobrinho-neto de JFK (à esq.), e Paulo Marinho (à dir.), suplente de Flávio Bolsonaro: apoios -
FRENTE AMPLA - Connor Kennedy, sobrinho-neto de JFK (à esq.), e Paulo Marinho (à dir.), suplente de Flávio Bolsonaro: apoios – (Ricardo Stuckert/.)

Uma possibilidade que pode ajudar a atrair o eleitor é apostar na incorporação de projetos dos ex-adversários. Lula aceitou cinco propostas de Tebet, entre elas zerar as filas na educação infantil e no SUS, criar uma poupança para quem termina o ensino médio e garantir a igualdade racial e de gêneros. Com Ciro, o petista se comprometeu com a renegociação de dívidas, educação básica em tempo integral e programa de renda mínima. “O apoio da Tebet é mais importante, pois ela foi a que mais se destacou, não pelos ataques, mas pelo seu posicionamento”, diz Paulo Ramirez, coordenador do curso de pós-graduação em filosofia política da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

A formação de uma ampla frente suprapartidária para tentar derrotar Bolsonaro emula a complexa aliança política que levou a esquerda ao poder em Portugal em 2015 e que ficou conhecida como “geringonça” — não por acaso, aliás, o termo já foi usado por lideranças do PT como Aloizio Mercadante e Tarso Genro e aliados como o PSOL. Naquele ano, o Partido Socialista, de centro-esquerda, liderado pelo primeiro-ministro António Costa, se uniu a três siglas de extrema esquerda para derrubar o gabinete de centro-direita que governava o país. O bloco, no entanto, foi se esfacelando, com divergências variadas entre seus líderes, e acabou em 2021, quando parte dele se uniu a partidos de direita para votar contra o Orçamento do governo. Na “geringonça” de Lula, por enquanto está cabendo de tudo. As adesões vão do americano Connor Kennedy, sobrinho-neto de John Kennedy, ao humorista Marcelo Madureira, ex-Casseta (que já foi ferrenho crítico de Lula), passando por Roberto Freire, presidente do Cidadania, que disse a VEJA que Lula é “corrupto” e não é “exemplo de democrata”. Inegável trunfo político nesta fase da disputa, a “geringonça” brasileira precisa se provar ainda em termos de eficácia eleitoral e de governabilidade no caso de uma vitória.

Publicado em VEJA de 19 de outubro de 2022, edição nº 2811

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.