Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Forte contra Bolsonaro, Lula frustra parte dos aliados como cabo eleitoral

Em dez estados em que o ex-presidente lidera nas intenções de voto para o Planalto, quem está em sua chapa pena para conquistar a preferência

Por Maiá Menezes, Ricardo Ferraz Atualizado em 4 jun 2024, 11h55 - Publicado em 30 set 2022, 06h00

Com larga estrada na política, Luiz Inácio Lula da Silva já teve várias vezes testada sua capacidade de influenciar o eleitorado a ungir nas urnas seus aliados. As eleições de 2022 favoreceriam, ao menos teoricamente, ainda mais o seu potencial de apadrinhar candidatos, dado que Lula já foi presidente duas vezes, é vastamente conhecido, e afiou sua habilidade para tecer as costuras necessárias. Seu feito mais notório nesse campo foi emplacar no Planalto, em 2010, a ministra Dilma Rousseff, então desconhecida. Agora, com o cacife em alta, era de esperar que ele emprestasse sua popularidade aos postulantes que apoia em todo o país, como figura estratégica nos palcos estaduais. Mas não é o que se tem visto. Em nenhuma unidade da federação um aspirante a governador da coligação petista ombreia com Lula nos levantamentos. Em dez estados em que o ex-presidente lidera nas intenções de voto para o Planalto, em alguns casos com folga, quem está na disputa em sua chapa pena para conquistar a preferência. Há um Lula grande na disputa com Bolsonaro e outro, menor, nas vitrines regionais.

PRÊMIO DE CONSOLAÇÃO - Freixo: ele queria um comício, mas teve de se contentar com um evento a portas fechadas -
PRÊMIO DE CONSOLAÇÃO - Freixo: ele queria um comício, mas teve de se contentar com um evento a portas fechadas – (Gabriel de Paiva/Agência O Globo)

Uma parte da explicação se deve às nuances locais — há tantas particularidades em cada estado que atribuir a Lula os obstáculos enfrentados seria simplificação. Deve-se levar em conta um outro aspecto: há um limite para a transferência de votos. Um mergulho na história recente mostra que a onda bolsonarista que marcou 2018 foi forte o suficiente para alçar ao poder sete candidatos ao governo que corriam junto com Jair Bolsonaro, porém não impediu que figuras mais à esquerda se fixassem no Nordeste nem que tradicionais partidos não alinhados com o atual presidente saíssem vitoriosos em oito estados.

Chama atenção, porém, um componente político, agora, que ajuda a explicar a discrepância entre os números de Lula e os de seus aliados (veja o quadro). Ele precisa diversificar o leque de apoios como nunca, uma vez que tem do outro lado do ringue um candidato forte — Bolsonaro —, e ainda briga contra um sentimento anti-PT incrustado em uma parcela da população. E, para completar, tenta fechar a eleição no primeiro turno. Ou seja: negociar parcerias amplas é muito mais importante que entrar em pendengas locais. “Lula necessita de mais apoio do que já precisou no passado e tem evitado se indispor nos planos estaduais”, afirma a cientista política Nara Pavão.

arte Padrinho

Continua após a publicidade

Segundo maior colégio eleitoral do Brasil, Minas Gerais é um bom laboratório para entender o xadrez das influências do ex-presidente. Lá, ele lidera a disputa com 46 pontos porcentuais, 17 a mais que seu aliado, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), que trabalha para ascender ao Palácio Tiradentes. Ao longo de praticamente toda a campanha, Lula fez vista grossa ao “Lulema”, voto que une a opção por ele no âmbito nacional com a escolha pelo governador Romeu Zema (Novo). Puxado pela avalanche bolsonarista em 2018, Zema, embora tente se descolar da desgastada imagem de Bolsonaro, segue no páreo com seu endosso.

O fato é que Kalil patinava nas pesquisas até que, bem na reta final, Lula intensificou a presença no estado-chave e resolveu surgir a seu lado em dois comícios, em Montes Claros e Ipatinga. A aparição se revelou decisiva, demonstrando a força da presença de Lula. “Kalil é desconhecido no interior, e Lula levou seu nome para esses rincões”, diz o cientista político Pedro Henrique Marques, integrante do Centro de Estudos do Comportamento Político da UFMG.

FOI E NÃO VOLTOU - Danilo Cabral nas ruas do Recife: Lula apareceu uma única vez, antes do início da campanha -
FOI E NÃO VOLTOU - Danilo Cabral nas ruas do Recife: Lula apareceu uma única vez, antes do início da campanha – (@danilocabralpe/Facebook)

A teia da política, no entanto, muitas vezes não permite que o ex-presidente anime o palanque de seus aliados. Um desses espinhosos casos é o Rio de Janeiro, onde, a poucos dias do pleito, Marcelo Freixo (PSB) viu a distância entre ele, em segundo lugar nas pesquisas, e o governador Cláudio Castro (PL), na ponta, se aprofundar. Mesmo assim, Lula não entrou em campo. Em sua busca frenética para expandir o arco de alianças, esteve em solo carioca — só que deu preferência ao prefeito Eduardo Paes (PSD), com quem foi à quadra da escola de samba Portela, abandonando ali o vermelho para abraçar, nas roupas e no palanque, o sugestivo azul da agremiação. Firmou-se então um relevante apoio, festa da qual Freixo, que cultivava esperanças de um comício com o ex-presidente, não participou. Ele saiu da lista de convidados por um conselho de Paes à presidente do PT, Gleisi Hoffmann: “Não adianta pregar para convertido. Para ganhar no primeiro turno, precisa construir uma frente ampla”, disse. A Freixo, sobrou uma reunião a portas fechadas com Lula e uma turma de influenciadores.

Continua após a publicidade

Centrar esforços na Região Sudeste, onde reside a maior fatia do eleitorado e a polarização com Bolsonaro é mais aguda, acabou deixando em segundo plano estados que contavam com o ex-­presidente para alavancar candidaturas, muitas no Nordeste. Em Pernambuco, onde o PSB pôs à mesa o nome de Danilo Cabral ao governo como condição para lançar Geraldo Alckmin a vice na chapa presidencial, Lula fez um único comício — em julho, antes de a campanha dar a largada. À deriva, Cabral passou todo o tempo sob o risco de nem mesmo chegar ao segundo turno, enquanto Marília Arraes (Solidariedade) encabeçava as aferições, grudando por conta própria sua imagem à de Lula. Figurões do PSB imploraram por um novo ato com ele, mas o máximo que conseguiram foi um encontro em São Paulo, onde gravaram mensagens de apoio em série para serem veiculadas no horário eleitoral. Também no Rio Grande do Sul o candidato petista, Edegar Pretto, estacionou na rabeira, sempre num patamar de 10%, atrás de Onyx Lorenzoni (PL) e Eduardo Leite (PSDB). “Desde sempre sabíamos que a prioridade do partido era a eleição presidencial, é a vida”, conforma-se Mari Perusso, coordenadora da campanha de Pretto.

GÁS NO FINAL - Jerônimo Rodrigues, da Bahia: ele se beneficiou dos bons números de Lula, mesmo a distância -
GÁS NO FINAL - Jerônimo Rodrigues, da Bahia: ele se beneficiou dos bons números de Lula, mesmo a distância – (@jeronimorodriguesba/Instagram)

É inquestionável, contudo, a força de Lula, mesmo distante. Com seu ótimo desempenho nas pesquisas às vésperas do primeiro turno, alguns candidatos, mesmo sem tê-lo a tiracolo, se beneficiaram. Na Bahia, o petista Jerônimo Rodrigues avançou 17 pontos em um mês e, de repente, deixou a anêmica terceira posição que o perseguia. É bom lembrar que ainda pesa a seu favor o fato de ACM Neto (União Brasil), o líder nas pesquisas, ter arranjado um problemão ao declarar-se pardo para a Justiça Eleitoral e se enrolar nas explicações. “Lula faz diferença mesmo sem estar presente”, afirma o petista Rui Costa, atual governador do estado. Outra virada transcorre no Ceará: no reduto do presidenciável Ciro Gomes, o candidato lançado por ele foi ultrapassado recentemente pelo petista Elmano de Freitas, subitamente embolado na linha de frente com o bolsonarista Capitão Wagner (União Brasil). No cenário em que a eleição presidencial se encerra no primeiro turno, como sonha o PT, a expectativa geral é que o ex-­presidente se torne o cabo eleitoral que os candidatos tanto almejam. Por enquanto, Lula vem deixando um gostinho de quero mais.

Publicado em VEJA de 5 de outubro de 2022, edição nº 2809

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.