Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Filha de Eduardo Cunha vai à Justiça depois de ser intimidada com armas

O episódio ocorreu quando Danielle Cunha, candidata a deputada federal pelo União Brasil, participava de um evento evangélico com lideranças políticas

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 16 set 2022, 15h21 - Publicado em 16 set 2022, 12h14

Filha do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, a candidata a deputada federal Danielle Cunha (União Brasil-RJ) recorreu à Justiça Eleitoral após sofrer uma série de ameaças de adversários políticos no Rio de Janeiro.

Os rivais em questão são o vereador Willian Coelho (DC), secretário licenciado de Ciência e Tecnologia de Eduardo Paes (PSD), e sua esposa, Erika Coelho (PSD), que disputa uma vaga a deputada estadual.

Nas duas representações criminais e eleitorais protocoladas junto ao Tribunal Regional Eleitoral do estado, Danielle denuncia que uma campanha de “intimidação” iniciada pela equipe de Erika – que, segundo ela, tem arrancado adesivos de sua campanha – tomou contornos bem mais sérios nesta semana.

Na última segunda-feira, 12, a candidata a deputada federal diz que foi ameaçada por seguranças armados do casal Coelho durante o culto “Profetiza Rio”, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio.

Continua após a publicidade

A região é reduto eleitoral dos Coelho, que são alvo de diversas investigações – a mais recente apura ligação de Willian com uma quadrilha de roubo de cargas, incluindo até mesmo trilhos do metrô. O pai de Willian, o ex-policial Edson dos Santos Filho, chegou a ser preso na operação, mas foi solto após pagar fiança. Ele já tem condenação anterior por tráfico internacional de armas.

“Tentaram me intimidar desde o começo, mesmo com o próprio governador [Cláudio Castro] e diversas outras autoridades presentes. Me apontaram uma arma, dizendo que iam acabar com o evento. Ameaçaram inclusive o organizador do evento para que eu não subisse no palco. E em todo o momento eles mantiveram o segurança deles, armado, no palco”, contou Danielle Cunha a VEJA.

O culto em questão reunia políticos de diferentes espectros, mas sobretudo ligados ao eleitorado evangélico – entre eles, o governador do estado Cláudio Castro (PL).

Continua após a publicidade

Danielle explica na representação junto ao TRE-RJ que, na ocasião, seus correligionários exibiam bandeiras de campanha, enquanto ela cumprimentava eleitores e distribuía material impresso de propaganda na entrada do evento – até que recebeu a exigência dos seguranças, em “tom violento” e portando armas, para que interrompesse o ato.

A candidata continuou no local e participava do culto quando foi avisada de que, se ali permanecesse, a organização do evento desligaria o som. Danielle chegou a subir ao palco, mas a intimidação persistiu, inclusive com os seguranças empunhando armas – o que a levou a formalizar a denúncia na Justiça Eleitoral.

Dada a gravidade das circunstâncias, as representações, assinadas pelo advogado Admar Gonzaga – ex-ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) – pedem também proteção policial à candidata e preservação do sigilo de testemunhas envolvidas no caso.

Continua após a publicidade

“Diante da necessidade de preservar a integridade física daqueles que pretendem colaborar com a Justiça – haja vista as ameaças realizadas e os crimes praticados pelo representado e sua família –, deve-se preservar a identidade das testemunhas e providenciar escolta, para que seja assegurada a segurança no deslocamento até o Tribunal, caso a audiência seja presencial”, diz trecho de uma das manifestações protocoladas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.