Ex-presidente da Assembleia de São Paulo é preso por fraude na merenda

Além de Leonel Julio, outros seis investigados pela Operação Alba Branca foram detidos, segundo informações do 'Estado de S. Paulo'

Por Da Redação - 29 mar 2016, 09h14

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Leonel Julio, e mais seis investigados por desvio da merenda escolar do Estado foram presos nesta terça-feira em ação da Operação Alba Branca decretada pela Justiça de Bebedouro, no interior paulista. Entre os detidos está o presidente da União dos Vereadores do Estado, Sebastião Miziara. As informações são do site do jornal O Estado de S. Paulo.

A Operação Alba Branca, deflagrada pela Polícia Civil em janeiro, investiga suspeitas de envolvimento do atual presidente da Assembleia de São Paulo, o deputado Fernando Capez (PSDB), e de outros parlamentares, na fraude das merendas. A investigação sobre Capez está em curso no Tribunal de Justiça do Estado, mas, ao contrário dos seis detidos nesta terça, ele possui foro privilegiado.

A Delegacia Seccional de Bebedouro), sede da operação, informou por meio de nota que sete mandados de prisão e dez de busca e apreensão foram cumpridos a partir das 6h desta terça nas cidades paulistas de Bebedouro, Barretos, Severínia, Campinas e na capital.

LEIA MAIS:

Publicidade

Impasse judicial mantém réus da ‘primeira’ máfia da merenda impunes

Máfia da merenda: secretaria da Educação travou contratos por propina, diz delator

Máfia da merenda: ex-chefe de gabinete da Casa Civil paulista operava na sede do governo

Leonel Julio, do antigo MDB, foi presidente da Assembleia de São Paulo e cassado em 1976 pelo regime militar. Segundo a Alba Branca, ele é suspeito de fazer lobby para a organização criminosa que desviou a verba de merendas junto a pelo menos 22 prefeituras. Seu filho Marcel Julio seria um dos mentores da organização e está foragido.

Publicidade

Além de Leonel Julio e Sebastião Miziara, também foram presos Carlos Eduardo da Silva, Aluísio Girardia, Emerson Girardi, Luiz Carlos da Silva Santos e Joaquim Geraldo Pereira da Silva. A Justiça ainda decretou buscas e apreensões que estão sendo cumpridas pela Polícia Civil do Estado. Luiz Roberto dos Santos, o Moita, ex-chefe de gabinete da Casa Civil do Governo Geraldo Alckmin, também está entre os investigados.

(da redação)

Publicidade