Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Enfim, uma oposição de verdade no Senado

Por Da Redação 1 fev 2015, 07h26

A​ posse dos novos senadores, neste domingo, marcará o fim de uma legislatura árdua para a oposição. A base aliada era esmagadoramente superior ao bloco antagonista, que não conseguia reunir nem mesmo as 27 assinaturas necessárias para a criação de uma CPI. Numericamente, PSDB, DEM e PPS – o núcleo mais coeso da oposição – terão uma bancada praticamente igual à da última legislatura. Mas eles devem ter a companhia de parlamentares do PSB, que rompeu com o governo no ano passado. Outra mudança: no começo do governo, seguindo a maioria da opinião pública, muitos senadores “independentes” pendiam para a base aliada. Agora, o clima dentro e fora do Congresso é mais hostil ao governo, o que deve se refletir nas votações da Casa. Assim, integrantes de partidos como PP e PDT devem acompanhar a oposição em algumas votações importantes. É o caso de Ana Amélia Lemos (PP-RS) e Cristovam Buarque (PDT-DF). Além disso, haverá uma mudança qualitativa: a oposição perdeu nomes pouco combativos, como Jayme Campos (DEM-MT) e Cícero Lucena (PSDB-PB), e ganhará figuras experientes como Ronaldo Caiado (DEM-GO), José Serra (PSDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE). (Gabriel Castro, de Brasília)

Publicidade