Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Doria lidera pesquisas para governo de SP, mas rejeição cresce

Sem Celso Russomanno, ex-prefeito polarizaria disputa com Paulo Skaf, do MDB; no entanto, rejeição crescente pode ser desafio para campanha

O ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) lidera a corrida ao Palácio dos Bandeirantes, de acordo com a segunda parte da última pesquisa Datafolha, divulgada na madrugada desta segunda-feira. Ele aparece com 29% das intenções de voto no cenário hoje considerado o mais provável, seguido pelo pré-candidato do MDB, Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com 20%.

No segundo bloco, estão o atual governador, Márcio França (PSB), que cresceu, mas continua desconhecido da maior parte do eleitorado, e o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho (PT). França aparece com 8% e Marinho com 7%.

Mais abaixo estão as pré-candidaturas do empresário Rogério Chequer (Novo), com 2%, da professora universitária Lisete Arelaro (PSOL) e do vice-prefeito de Guarulhos, Alexandre Zeitune (Rede), com 1% cada. A pesquisa divulgou também que 26% pretendem votar branco ou nulo, e 5% não sabem ou não responderam.

A principal mudança na nova pesquisa é a exclusão do nome do deputado federal Celso Russomanno (PRB). Ele aparecia em primeiro lugar no último levantamento, mas nem ele nem o PRB demonstraram interesse em uma candidatura até o momento.

Doria dispararia em um cenário alternativo, em que o MDB desistisse do nome de Skaf. Nesse caso, o ex-prefeito iria a 36%, com boa margem de vantagem para França, que passaria a 10%, e para Marinho, que subiria para 9%. Os brancos e nulos passariam a 32%, e 6% não saberiam em quem votar.

A pesquisa Datafolha indicou também os principais desafios das pré-candidaturas colocadas. Enquanto Skaf é numericamente (34%) o mais rejeitado, Doria viu crescer o número de eleitores que não votam nele de jeito nenhum (de 28% para 33%), especialmente onde governou: na capital. O levantamento mostrou que, entre os paulistanos, dois em cada três (66%) reprovam o fato de ele ter renunciado e, diante disso, quase metade (49%) não votaria nele. O índice é puxado para baixo pelo interior, onde o PSDB tem historicamente seu melhor resultado.

Já para Márcio França, a dificuldade principal é a de ser conhecido. Sua intenção de votos, que oscilava entre 2% e 3% em dezembro, cresceu para 8% no novo levantamento, mas esbarra no fato de que 82% dos eleitores do estado não sabem quem é o atual governador. Com a maior exposição por ter assumido o cargo após a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB), a rejeição dele também cresceu (de 14% para 22%).

A nova pesquisa do instituto Datafolha foi contratada pelo jornal Folha de S.Paulo e registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número SP 04706/2018. Os dados foram coletados em 1.954 entrevistas feitas em todo o estado entre os dias 11 e 13 de abril, com margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. No caso da rejeição a Doria, foram 1.031 eleitores na cidade de São Paulo, com a mesma realizadora e mesmo contratante, mas com margem de erro de três pontos percentuais e índice de confiança de 95%.

Datafolha – Governo de São Paulo/2018

Cenário 1

João Doria (PSDB) – 29%
Paulo Skaf (MDB) – 20%
Márcio França (PSB) – 8%
Luiz Marinho (PT) – 7%
Rogério Chequer (Novo) – 2%
Lisete Arelaro (PSOL) – 1%
Alexandre Zeitune (Rede) – 1%

Em branco, nulo ou nenhum – 26%
Não sabe ou não respondeu – 5%

Cenário 2

João Doria (PSDB) – 36%
Márcio França (PSB) – 10%
Luiz Marinho (PT) – 9%
Rogério Chequer (Novo) – 3%
Lisete Arelaro (PSOL) – 2%
Alexandre Zeitune (Rede) – 2%

Em branco, nulo ou nenhum – 32%
Não sabe ou não respondeu – 6%

Rejeição

Paulo Skaf (MDB) – 34%
João Doria (PSDB) – 33%
Luiz Marinho (PT) – 27%
Márcio França (PSB) – 22%
Rogério Chequer (Novo) – 21%
Lisete Arelaro (PSOL) – 20%
Alexandre Zeitune (Rede) – 19%

Rejeita todos/não votaria em nenhum – 10%
Votaria em todos/não rejeita nenhum – 3%
Não sabe – 7%

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Honôrio Ferreira

    Não votaria no João Doria não tem bagagem como gestor publico

    Curtir