Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma promete agilizar ajuda a desabrigados no Sul; Richa pede R$ 160 mi

Presidente afirmou que enviará recursos federais assim que o pedido de auxílio do governador do Paraná for formalizado

A presidente Dilma Rousseff sobrevoou nesta terça-feira os municípios atingidas pelas enchentes em Santa Catarina e no Paraná, que seguem continuam em situação de emergência. Ao avaliar a situação em União da Vitória – cidade a 320 quilômetros de Curitiba e um dos municípios mais afetados pelas cheias -, ela prometeu agilizar o repasse de recursos federais para o auxílio a desabrigados e também para prevenir tragédias. Em Santa Catarina, até agora foram afetadas mais de 457.000, já no Paraná a situação é mais complicada, com pelo menos 777.344 pessoas prejudicadas desde o início das chuvas, no dia 7 de junho, segundo a Defesa Civil.

O Rio Iguaçu, que banha União da Vitória, atingiu nesta terça-feira 8,11 metros – cerca de três vezes o nível normal, de 2,5 metros. O Paraná já contabiliza treze mortes, uma delas em União da Vitória.

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), decretou estado de emergência em 158 municípios do Estado – em Santa Catarina são 42 cidades afetadas. Na cidade paranaense de União da Vitória, pelo menos 3.000 casas foram danificadas, 520 pessoas permanecem desabrigadas e 12.152 estão desalojadas. Ao todo, as enchentes prejudicaram 52.616 pessoas na região.

Leia também:

STF manda União liberar R$ 1,5 bi em empréstimos ao Paraná

Aproveitando a presença de Dilma, o governador Richa pediu um auxílio de 160 milhões reais para atender a população afetada e recuperar rodovias danificadas. Com relação a isso, Dilma afirmou que enviará os recursos assim que a solicitação for formalizada. “Nós fazemos uma ação conjunta entre os municípios atingidos, o governo federal e o governo do Estado”, disse a presidente. Richa estimou que os prejuízos para o Estado do Paraná devem passar de 1 bilhão de reais.

Até agora, os valores levantados pela Secretaria da Infraestrutura e Logística foram o mapeamento de 1.755 quilômetros de estradas danificadas pelas chuvas e a necessidade da reconstruir três pontes. Os resultados foram formalmente encaminhados para o Ministério da Integração Nacional.

(Com Estadão Conteúdo)