Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Delator envolve executivo ligado a Lula, e juiz prorroga prisão

Ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa implica ex-dirigente da Odebrecht Alexandrino Alencar em pagamento de propina de até US$ 5 milhões

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, prorrogou nesta terça-feira por 24 horas a prisão temporária do ex-dirigente da Odebrecht Alexandrino Alencar, apontado como companhia frequente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em viagens internacionais para lobby em favor da empreiteira. A temporária de Alencar vencia nesta terça, mas o juiz ampliou o prazo após o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa ter implicado o executivo em um esquema de pagamento de propina envolvendo a petroquímica Braskem.

Na manhã desta terça, Costa prestou depoimento na Polícia Federal em Curitiba (PR) em que confirma que Alexandrino negociou com o doleiro Alberto Youssef e com o ex-deputado federal José Janene (PP-PR) o pagamento de 3 a 5 milhões de dólares em propina, entre 2006 e 2012.

“[Paulo Roberto] recorda-se de ter participado de uma reunião em um hotel de São Paulo em que estavam o declarante, [José] Janene e Alexandrino, sendo que nessa oportunidade foi tratado de forma clara o assunto relacionado ao pagamento de vantagens ilícitas em troca de benefícios a Braskem na compra de nafta da Petrobras”, diz trecho do depoimento do ex-dirigente.

Leia mais:

Companheiro de viagem de Lula deixa a Odebrecht

No prazo de um dia o Ministério Público e a defesa do acusado devem se manifestar, mas nos bastidores, a avaliação é a de que Moro deve converter nesta quarta-feira a prisão temporária em preventiva, que é aquela em que não há prazo determinado para o término.

Em acareação promovida nesta segunda-feira na PF de Curitiba, o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras confirmaram que a Braskem, petroquímica ligada a Odebrecht, pagou de 1% a 3% em propina, em dinheiro, tanto para Costa quanto para políticos filiados ao Partido Progressista (PP). Entre os parlamentares citados estão os deputados e ex-deputados Pedro Henry, Pedro Corrêa, ambos já condenados no julgamento do mensalão, Nelson Meurer, João Pizzolati, Mario Negromonte, Luiz Fernando Sobrinho, José Otávio, Arthur de Lira, Dudu da Fonte e Aguinaldo Ribeiro e os senadores Ciro Nogueira e Benedito de Lira.

No esquema de pagamento de propina, o dinheiro era desembolsado para acelerar a compra de nafta, composto proveniente do petróleo utilizado como matéria-prima do setor. De acordo com o depoimento desta terça-feira, Paulo Roberto tinha direito a uma parcela da propina desembolsada pela Braskem e recebia em valores em contas bancárias secretas na Suíça por meio de Bernardo Freiburghaus, citado pelo Ministério Público como o operador que atuava em favor da Odebrecht no escândalo do petrolão.

A Polícia Federal havia pedido que a prisão temporária de Alexandrino Alencar fosse convertida diretamente em prisão preventiva, mas Moro não acatou a solicitação de imediato. No mesmo despacho, Moro colocou em liberdade outras três pessoas presas na última sexta-feira na 14ª fase da Lava Jato: Antônio Pedro Campelo de Souza, Flávio Lúcio Magalhães e Christina Maria da Silva Jorge.