Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Das mordomias do mensalão ao banho frio na cadeia

Genoino e Dirceu passam mais uma noite no complexo prisional da Papuda, onde dormem em beliches em uma cela que mede 12 metros quadrados

Por Da Redação
17 nov 2013, 22h32

É em uma cela de 12 metros quadrados, com um único cano de água fria para o banho e beliches para dormir, que José Dirceu e José Genoino passarão as noites no complexo prisional da Papuda até que a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal decida seus destinos. Na noite de sábado, eles chegaram à ala federal do presídio, em Brasília. Outros nove condenados no processo do mensalão também estão detidos na capital federal.

Mensaleiros seguem direto do aeroporto para a Papuda

Quadrilha se reencontra na capital. Agora, atrás das grades

As condições da prisão levaram os advogados do ex-presidente do PT e deputado licenciado a solicitar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a transferência para o regime domiciliar. Eles sustentam o pedido na condição de saúde do petista, que passou por uma cirurgia cardíaca em julho, em São Paulo, e chegou a passar mal no voo entre Belo Horizonte e Brasília, no sábado. Neste domingo, os defensores afirmaram que ele teve uma nova crise na cadeia e teve de ser atendido por um médico particular.

Genoino aproveitou para dramatizar. Em um manifesto disse que se considera vítima de “uma farsa surreal”. “Estamos presos em regime fechado, sendo que fui condenado ao semiaberto. Isso é uma grande e grave arbitrariedade, mais uma na farsa surreal que é todo esse processo, no qual fui condenado sem qualquer prova, sem um indício sequer”, disse, acrescentando: “Se morrer aqui, o povo livre deste País que ajudamos a construir saberá apontar os meus algozes.”

Continua após a publicidade

Reinaldo Azevedo: Genoino se diz preso político. Não! Ele é um político preso

Radar: Genoino, preso político?

Processo – Na verdade, Genoino e Dirceu nem começaram a cumprir a pena de fato: até agora, todo o trâmite fez parte apenas do processo de apresentação dos condenados à Justiça e da reunião deles em Brasília, cidade determinada pelo STF. Quando passarem ao regime semiaberto, os condenados devem ser levados ao Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Brasília. Mas é possível que a transferência seja feita apenas na segunda-feira.

Apesar de terem sido condenados a regime fechado, Dirceu e Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, ainda podem ter parte da sentença alterada porque têm direito a embargos infringentes. Como os recursos só serão analisados pelo STF em 2014, a dupla começou a cumprir uma pena menor, o que lhes dá direito ao semiaberto.

Mulheres – Até segunda-feira, a ex-banqueira Kátia Rabello e Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Marcos Valério, devem ser transferidas para o presídio feminino da Colmeia, a cerca de 40 quilômetros do Centro de Brasília. Por ora, elas permanecem na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Brasília.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

Delúbio esconde o rosto ao ser removido para Superintendência da PF​

STF deverá abrir novas vagas em celas e frustrar manobra de mensaleiros

“Justiça”, dizem leitores de VEJA sobre ordem de prisão de mensaleiros

Henrique Pizzolato foge para a Itália e debocha das autoridades brasileiras

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.