Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Diretor de farmacêutica diz à CPI que pagou anúncios do ‘kit-Covid’

Jailton Batista, da Vitamedic, também confirmou que empresa não conduziu estudo do medicamento ineficaz contra a Covid-19

Por Da Redação Atualizado em 11 ago 2021, 16h11 - Publicado em 11 ago 2021, 06h52

A CPI da Pandemia ouviu nesta quarta-feira, 11, o diretor-executivo da farmacêutica Vitamedic, Jailton Batista. Ele deve falar sobre a venda de medicamentos ineficazes contra a Covid-19, como a ivermectina, para o chamado ‘kit-Covid’ e também sobre o suposto pagamento de anúncios publicitários em defesa do tratamento.

O depoimento

Questionado se a Vitamedic havia conduzido estudos para avaliar a eficácia da ivermectina contra o coronavírus, Batista negou. Ainda assim, confirmou que a farmacêutica pagou a publicação de anúncios em jornais.

O chamado “Manifesto pela Vida” defendia o uso de remédios ineficazes no tratamento de pacientes com Covid-19, como a cloroquina, ivermectina, zinco e vitamina D.

Segundo o empresário, foram pagos 717 mil reais na divulgação do texto. O material, segundo Batista, foi patrocinado a pedido do Médicos pela Vida, grupo que também defendeu o uso de fármacos ineficazes.

“Foi solicitado o apoio à associação Médicos pela Vida no patrocínio de um documento técnico, e ela o fez. Foi apenas a publicação nos jornais de um manifesto da associação em que a empresa assumiu o custo da veiculação”, revelou o depoente.

Continua após a publicidade

Batista revelou ainda que a Vitamedic deu um salto financeiro durante a pandemia e viu o faturamento passar de 200 milhões de reais, em 2019, para 540 milhões de reais em 2020, muito por causa da venda da ivermectina, que subiu mais de 600%.

O relator da CPI, Renan Calheiros, criticou o pagamento das peças publicitárias. “O custo foi pago em vidas e com certeza a Vitamedic colaborou para que isso acontecesse ao continuar produzindo e comercializando um medicamento inútil, ineficaz”, disse, acrescentando que a atuação da empresa foi “criminosa”.

O presidente da CPI, Omar Aziz, também criticou o suposto tratamento e lembrou das vidas perdidas no Amazonas, seu estado.

O requerimento

A Vitamedic foi alvo de um requerimento de informações aprovado em junho pela comissão. De acordo com relatórios enviados à CPI, apenas as vendas da ivermectina saltaram de 24,6 milhões de comprimidos em 2019 para 297,5 milhões em 2020 — um crescimento superior a 1.105%. O preço médio da caixa com 500 comprimidos subiu de R$ 73,87 para R$ 240,90 — um incremento de 226%.

Batista será ouvido como testemunha e a oitiva está prevista para começar as 9h30.

(com Agência Senado)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)