Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Professor analisa a posição do Brasil na crise entre Venezuela e Guiana

Especialista em Relações Internacionais foi entrevistado sobre o tema na live de Os Três Poderes desta semana

Por Da Redação
Atualizado em 8 dez 2023, 12h37 - Publicado em 8 dez 2023, 10h59

A crise que se instalou na América do Sul depois da ameaça da Venezuela de anexar parte do território da Guiana foi o tema do programa Os Três Poderes desta sexta-feira. A live semanal é apresentada pelo editor Ricardo Ferraz e tem participação dos colunistas José Benedito da Silva, Marcela Rahal e Ricardo Rangel. Paulo Velasco, professor de Relações Internacionais da UERJ, foi o entrevistado da semana.

Ao lado de outros presidentes, Lula afirmou nesta quinta-feira que acompanha ‘com preocupação’ a situação na Guiana, após a Venezuela declarar que vai anexar a região de Essequibo, e destacou que o Mercosul ‘não pode ficar alheio’ ao tema. O petista disse que a disputa não deve ‘contaminar a integração nacional ou ameaçar a paz e estabilidade’ e que ‘se há uma coisa que não queremos na América do Sul é guerra e conflito’. Em nota conjunta, o bloco sul-americano manifestou ‘profunda preocupação’ com a ‘elevação das tensões’ entre as nações. Nesta sexta, o Conselho de Segurança da ONU deve discutir o assunto em um encontro ‘urgente’.

Governo Lula dá tiro no pé

A crise de segurança pública também é tema da edição do programa. Reportagem de capa de VEJA mostra que Lula tem falhado no combate ao crime organizado, ao mesmo tempo em que a onda de violência avança pelo país. Ao indicar Flávio Dino para o STF, o presidente deixou dúvidas sobre o futuro do Ministério da Justiça e da luta contra a criminalidade no Brasil. Além disso, o governo demonstra pouca capacidade para barrar a circulação desenfreada de armas e drogas. Para mudar isso, é preciso que ele e outras autoridades parem de tratar de forma errática um tema tão sensível e complexo. Afinal, os brasileiros merecem ter paz – e segurança.

O drama em Maceió segue

Os colunistas também debatem os desdobramentos da tragédia iminente em Maceió. Quando o problema em bairros de Maceió causado pelo possível colapso de uma mina da Braskem se agravou, no fim de novembro, veio a correria do poder público – avisado há anos sobre o risco –, o que expôs a outra face da tragédia: a divisão da elite política do estado, que resultou em falta de coordenação, trocas públicas de acusações e tentativas de exploração eleitoral do drama. A bateção de cabeça entre as autoridades aumentou à medida que o solo afundava. Enquanto isso, os moradores das áreas atingidas pelo problema têm se virado sem a ajuda dos políticos responsáveis.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.