Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Citado por Delcídio, Bumlai vai depor ao MPF sobre plano para silenciar Cerveró

Segundo ex-líder do governo no Senado, pecuarista amigo de Lula seria o responsável pela parte financeira do pacto que tentou firmar com o ex-diretor da Petrobras

Transferido há duas semanas do Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, para a prisão domiciliar em São Paulo, o pecuarista José Carlos Bumlai vai depor na capital paulista ao Ministério Público Federal na próxima sexta-feira. O juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato em primeira instância na capital paranaense, autorizou o deslocamento para que Bumlai explique ao procurador da República Andrey Borges de Mendonça seu envolvimento nos planos descritos pelo senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) para evitar a delação premiada do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

Delcídio foi preso em 25 novembro do ano passado após o filho do ex-executivo da estatal, Bernardo Cerveró, entregar ao MPF gravações em que o então líder do governo no Senado oferece ajuda financeira à família e traça um mirabolante plano para a fuga de Cerveró para a Espanha. No termo 6 de sua delação premiada, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em março, Delcídio do Amaral afirma que Bumlai seria o responsável pela parte financeira do trato com o ex-diretor da Petrobras.

Segundo Delcídio, o articulador da trama pelo silêncio de Cerveró foi o ex-presidente Lula, que atuou para blindar o amigo. “O depoente pode dizer que o pedido de Lula para auxiliar José Carlos Bumlai, no contexto de ‘segurar’ as delações de Nestor Cerveró, certamente visaria ao silêncio deste último e o custeio financeiro de sua respectiva família, fato que era de interesse de Lula.” Ainda de acordo com o parlamentar, Lula “pediu expressamente” a ele que ajudasse Bumlai porque o pecuarista já havia sido citado em outros depoimentos de delação premiada, os do lobista Fernando Baiano e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, como um dos personagens do petrolão.

Câncer de Bumlai – Sergio Moro concedeu prisão domiciliar a Bumlai, com uso de tornozeleira eletrônica, pelos próximos três meses. No início de março, advogados do amigo de Lula informaram a Moro que o pecuarista foi diagnosticado com câncer na bexiga. A defesa apresentou a Moro um relatório em que o médico Francisco Pegoretto alerta para o risco de seu paciente “desenvolver infecções secundárias” caso exposto a “situações de estresse e ambientes insalubres”. Pegoretto afirma que o pecuarista deverá ser submetido a uma cirurgia para a retirada de “tumores residuais”, além de tratamento baseado em sondagens com o BCG, o Bacilo da Tuberculose, que pode causar efeitos colaterais “acentuados”. Moro ressalta que não revogou a prisão temporária, mas entende, no entanto, que “a prudência recomenda” que, para não haver prejuízo ao tratamento de Bumlai, se deve conceder a ele “tratamento mais leniente, enquanto durar o tratamento”.

LEIA TAMBÉM:

Lula atuou para blindar Bumlai na Lava Jato, diz Delcídio

Delcídio: Bumlai tratava sítio em Atibaia como ‘de Lula’