Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ciro Nogueira quer monitorar as chances eleitorais de Bolsonaro

Comandado pelo novo ministro, o PP contratará um instituto de pesquisa para medir a popularidade do governo e as intenções de voto no presidente.

Por Daniel Pereira 1 ago 2021, 10h25

Nomeado para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira não pretende se descuidar dos interesses de seu partido, o PP, e de seu grupo político, o Centrão. Por iniciativa dele, a legenda deve contratar em breve um instituto de pesquisa para monitorar a popularidade do governo e as intenções de voto em Jair Bolsonaro, que hoje aparece em segundo lugar na corrida presidencial.

Ciro Nogueira alega que a medida é necessária porque ele tem a impressão de que a vantagem de Lula sobre Bolsonaro não é tão larga como sugerem levantamentos divulgados recentemente. Esse tipo de argumento é caro ao presidente da República, que costuma atacar a credibilidade também dos institutos de pesquisa. Segundo Datafolha divulgado no início de julho, Lula tem 46% de intenções de voto nas simulações de primeiro turno, ante 25% de Bolsonaro. A diferença é ainda maior na projeção de segundo turno: 58% a 31%.

O Datafolha também mostrou que a avaliação positiva do governo está em 24%. Já a reprovação atingiu 51%. Os dados são preocupantes, mas não minam a retórica otimista de Ciro Nogueira, fiador e principal beneficiário da adesão do Centrão ao governo. O ministro defende a tese de que a recuperação econômica e o avanço da vacinação contra a Covid-19 ajudarão a recuperar a popularidade do governo e a impulsionar Bolsonaro na corrida presidencial. Há até uma meta informal definida: fazer a avaliação positiva do governo chegar a pelo menos 40%. Ciro Nogueira garante que, se esse porcentual for atingido, Bolsonaro conquistará um novo mandato. Para justificar a tese, ele argumenta que a maioria dos candidatos à reeleição com 40% de aprovação venceu a disputa, conforme um estudo de uma consultoria internacional.

Desde a sua primeira eleição para a Câmara dos Deputados, na década de 90, Ciro Nogueira apoiou todos os presidentes da República: Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer e, agora, Jair Bolsonaro. O PP e o Centrão são governistas por natureza e não sabem viver na oposição. A contratação do instituto de pesquisa é importante até por isso. Se Bolsonaro não decolar, nada impede que Ciro Nogueira e seus colegas de Centrão desembarquem do governo para posar na foto ao lado do novo detentor do poder — como sempre fizeram.

Continua após a publicidade
Publicidade