Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cinco universidades públicas terão cursos sobre ‘golpe de 2016’

Universidade Estadual da Paraíba e federais do Amazonas e da Bahia se juntam a UnB e Unicamp e terão atividades críticas à deposição de Dilma Rousseff

Depois da UnB e da Unicamp, mais três universidades confirmaram a VEJA que farão atividades especiais críticas ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016, classificando o processo como um “golpe de estado”. As universidades federais da Bahia (UFBA) e do Amazonas (Ufam) oferecerão disciplinas optativas enquanto a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) programa um curso livre, aberto a alunos e professores da instituição.

As três instituições reagem à posição do ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), de acionar órgãos de controle para apurar o que ele acusa ser “improbidade administrativa” [mal uso dos recursos públicos] na Universidade de Brasília. A instituição do Distrito Federal incomodou o ministro ao ofertar a disciplina optativa “O golpe de 2016 e o futuro da democracia” como parte da grade do curso de Ciência Política.

“A atitude infeliz do ministro prova que temos que discutir o futuro da democracia. Nem na ditadura era comum que governos interferissem com essa dimensão, porque eles tinham pudores de chegar na universidade. Quando órgãos são acionados contra a universidade, nós [professores] nos preocupamos”, criticou o historiador Carlos Zacarias, responsável pela disciplina da UFBA, que reunirá, ao todo, 23 professores da instituição e deve iniciar suas atividades em abril.

Zacarias afirmou a VEJA que, cerca de duas horas depois de divulgar em seu perfil no Facebook a iniciativa, passou a receber algumas ofensas e ameaças. “Começou uma campanha de ódio. Recebi mensagens de ameaças e de preconceito com os nordestinos. Falaram que a universidade era cara para sustentar preguiçosos e indigentes”, contou. Por outro lado, teria sido procurado por grupos de simpatizantes da ideia, que pediram a ele que grave as aulas e as publique em canais na internet.

Na Ufam, o curso será mais amplo e, diferentemente dos demais, não deve se concentrar unicamente na saída da petista do poder. A previsão do professor César Bulboz, que propôs o tema, é a de também abarcar o período ditatorial de Getúlio Vargas (1937-1945) e a deposição de João Goulart pelos militares em 1964.

Já na estadual paraibana, as aulas pretendem “entender os elementos de fragilidade do sistema político brasileiro que permitiram a ruptura democrática, de maio e agosto de 2016, com a deposição da presidenta Dilma Rousseff, bem como analisar o governo presidido por Michel Temer”, segundo afirmou o professor Valmir Pereira, coordenador da iniciativa, ao site da universidade. O reitor da UEPB, Antonio Guedes Rangel Júnior, será “colaborador” da iniciativa.

Mais cedo, Wagner Romão, professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, confirmou que a instituição do interior de São Paulo vai promover um curso aberto sobre o tema, com aulas já a partir de março. O objetivo da Universidade é inserir o “golpe” dentro do contexto de pesquisa de diversos professores. “Pretendemos tratar da causa indígena à conceituação do que é um golpe de estado”, explicou.

‘Proselitismo’

Ao anunciar ofícios a quatro órgãos de controle – a Advocacia-Geral da União (AGU), Ministério da Transparência e Controladoria-Geral (CGU), Ministério Público Federal (MPF) e Tribunal de Contas da União (TCU) –, o ministro argumentou que a disciplina criada pelo professor Luis Felipe Miguel na UnB faz “proselitismo político e ideológico de uma corrente política usando uma instituição pública de ensino”.

Mendonça Filho também citou uma das divisões da disciplina, “O governo ilegítimo e a resistência”, para afirmar que a ementa do curso é um “ataque claro às instituições brasileiras”. Procurado por VEJA, o professor Miguel afirmou que não gostaria de “alimentar a polêmica artificial criada pelo MEC”, por isso não comentaria. A Universidade reiterou seu “compromisso com a liberdade de expressão e opinião” e ressaltou que as unidades acadêmicas “têm autonomia para propor e aprovar conteúdos”.

A postura do ministro provocou uma representação do ex-reitor da UnB José Geraldo de Sousa Júnior contra Mendonça Filho na Comissão de Ética Pública da Presidência (CEP), que decidiu abrir processo para apurar a conduta do político do DEM e deu a ele dez dias para se explicar. Em nota, o Ministério da Educação afirmou que Mendonça Filho “está cumprindo o papel constitucional de solicitar apuração do bom uso de recursos públicos, sob pena de, se não fizer, responder por omissão”.

“O ministro Mendonça Filho reafirma o respeito à autonomia universitária, à liberdade de cátedra e à UnB ou qualquer outra universidade brasileira. Assim como também reafirma a crença de que a universidade pública deve ser um ambiente plural, democrático e onde o recurso público seja usado com probidade.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nunca vi tanta gente burra!!!

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    #NãOPáRA,NãOPáRA:VAMOmeuTiMãO:#
    😮 O é$TADOueRjYäNü$:AKboU de CHEg-
    -AH! 😮

    Curtir

  3. Gilson Robson

    Pq não uma disciplina de como combater uma quadrilha que delapidaram um país? essa disciplina não vai perdurar pq só começa em março do ano que vem, quando o Jair Bolsonaro já estará na presidência e é lógico que ele não é frouxo igual o Temer e vai dar um basta nesses comunistinhas de terceira categoria que mama nas tetas do governo.

    Curtir

  4. Antonio Carlos Giolo

    Existe uma solução simples para esse problema: privatizar as universidades federais e estaduais.

    Curtir