Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Carta ao Leitor: Uma manobra desastrosa

Decisão de Fachin trouxe dois fenômenos de imenso impacto: a implosão da Lava-Jato e o retorno imediato da elegibilidade do ex-presidente Lula

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 13h17 - Publicado em 12 mar 2021, 06h00

Poucas semanas foram tão ruidosas na história recente do Brasil quanto essa última (e ressalve-se que a rotina nacional tem sido imprevisível desde 2013, pelo menos). Em relação à pandemia, vivemos um período trágico, de recordes na média móvel de mortes, resultado da falta de planejamento e do negacionismo por parte do governo federal. Tal marca, por si só, já seria suficiente para registrar a singularidade — e a tristeza — do momento. Mas não paramos por aí. A partir de uma decisão extemporânea (para não dizer vergonhosa) do ministro Edson Fachin, do STF, o país viveu dois fenômenos simultâneos e de imenso impacto: a implosão da Lava-Jato, decidida justamente por um de seus defensores, e o retorno imediato da elegibilidade do ex-presidente Lula, alterando significativamente o xadrez eleitoral para 2022.

Caso Lula

A origem de tamanho terremoto é conhecida, mas vale uma digressão. De forma monocrática e para surpresa de seus colegas ministros, Fachin alegou na última segunda, 8, que a competência dos casos de Lula, e pelos quais o ex-pre­sidente foi condenado e passou 580 dias na cadeia, não deveria ser julgada em Curitiba, mas, sim, em Brasília. Foi um choque. A competência dos processos já havia sido obje­to de análise em outras oportunidades no STF. O próprio Fachin negara um dos pedidos, como revela a reportagem a partir da página 22. Pode-se até concordar que, de fato, a responsabilidade dos processos estivesse errada desde sua origem. Mas fazer isso cinco anos depois é um descalabro, falta de respeito com o papel da Justiça no país e com os brasileiros. É por atitudes assim que o STF sofre desgaste na sua imagem, o que só reforça o discurso daqueles que pregam uma ruptura institucional.

Com uma manobra política mal dissimulada, a intenção de Fachin foi preservar a reputação pessoal do ex-juiz Sergio Moro, que seria julgado por suspeição por causa das decisões tomadas quando comandava a 13ª Vara de Curitiba. A partir da anulação da competência, o ministro imaginava que a questão estaria encerrada — e Moro, salvo. Seria uma espécie de chicana jurídica. Nem isso conseguiu. Diante da atitude do colega, o ministro Gilmar Mendes deu lépida sequência ao processo contra o paranaense. A rigor, o grande feito de Fachin foi apenas um: decretar oficialmente o fim da Lava-Jato. Isso porque, provavelmente, seu movimento provocará um efeito dominó no caso de outros réus, de Eduardo Cunha a Sérgio Cabral.

Eleições 2022

Um dos efeitos colaterais de tal decisão foi o retorno imediato da elegibilidade de Lula, atalho para uma revolução no cenário eleitoral (veja a reportagem na pág. 28). Estava em andamento uma construção de forças, da esquerda à centro-direita, para disputar a eleição com Jair Bolsonaro. Seria uma convergência pautada pela defesa da democracia, com uma visão moderna de Estado e ciente da necessidade da redução das desigualdades sociais. O arranjo agora será muito mais difícil, com a inclusão do ex-­presidente na peleja. Na verdade, volta com força o agressivo jogo da polarização e do ódio, dinâmica que, até aqui, tem sido extremamente prejudicial ao país. Que semana.

Continua após a publicidade

Leia também:

  • Decisão desastrada de Fachin muda jogo político e reforça polarização.
  • Mesmo com concessões, governo vê PEC Emergencial como ganho institucional.
  • Vacinação: no pior momento da pandemia, principais autoridades do país ensaiam reação.
  • Economia do Brasil segue travado por incerteza do futuro.

Publicado em VEJA de 17 de março de 2021, edição nº 2729

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.