Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

No pior momento da pandemia, principais autoridades do país ensaiam reação

Movimento dos setores público e privado e o consenso que se forma sobre a necessidade de ampliar a vacinação podem ajudar o Brasil a sair da crise

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 12 mar 2021, 10h52 - Publicado em 12 mar 2021, 06h00

O mês de março de 2021 entrará para a história como o momento mais dramático da pior crise sanitária já vivida pelo Brasil. O país superou pela primeira vez a terrível marca de 2 000 mortes por dia, algumas delas de pacientes que nem sequer tiveram a oportunidade de ir para uma UTI porque não havia vagas — ao menos 23 dos 26 estados registram ocupação acima de 80% dos leitos, situação que inclui São Paulo, o mais rico e estruturado da federação, onde houve mortes na fila de espera. O avanço da pandemia colocou pressão nos governantes e foi acompanhado de medidas tomadas no afogadilho, como radicalizar o isolamento social — iniciativa que gera protestos e nem sempre é respeitada —, criar comitês hospitalares para escolher quem, entre os doentes, tem mais chance de sobreviver e providenciar contêineres para armazenar os corpos, em um eventual colapso da rede funerária. Em meio a esse cenário, a vacinação, a principal porta de saída para esse pesadelo, continuou em velocidade muito aquém da necessária, com planejamentos refeitos o tempo todo e seguidas frustrações em razão de atrasos.

PAZ - Wellington Dias e Pazuello: encontro no Rio serviu para aparar arestas -
PAZ - Wellington Dias e Pazuello: encontro no Rio serviu para aparar arestas -v (Governo do Piauí/.)

Vacina do Covid 19

Com tantas más notícias, no entanto, acendeu-se ao menos uma luz no fim do túnel. O panorama exigiu que as principais autoridades do país se dispusessem a superar eventuais divergências e a tentar construir uma forma de atuação mais coordenada, guiada por algumas premissas básicas. Pressionados pela grave situação em seus estados, governadores de partidos e ideologias diferentes passaram a buscar saídas para enfrentar o gigantesco desafio. As conversas resultaram no documento chamado “Pacto Nacional”, lançado na quarta-feira 10, por 22 dos 27 chefes de Executivo estaduais. “Em mais de um ano de crise, é a primeira vez que temos um esforço de coordenação nacional como foi adotado em outros países. É um passo extraordinário, já que até agora estávamos no cada um por si e Deus por todos”, afirma o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

APAZIGUADOR - Flávio Dino: responsável por conciliar visões antagônicas -
APAZIGUADOR - Flávio Dino: responsável por conciliar visões antagônicas – (Francisc Stuckert/Futura Press/.)

Chegar a esse esboço de pacto não foi fácil. Coube a Dino a espinhosa missão de contemplar no texto a visão de governadores antagônicos, divididos entre os que têm boa relação com Jair Bolsonaro, como o goiano Ronaldo Caiado (DEM) e o mineiro Romeu Zema (Novo), e outros que fazem oposição, como João Doria (PSDB), de São Paulo — este assinou a carta, mas ficou fora da articulação para facilitar a adesão dos governistas, preocupados em evitar que o movimento tivesse o tom de mais um embate entre o tucano paulista e o presidente. O esforço foi necessário para reverter o clima de levante que se insinuou na semana anterior, depois que Bolsonaro responsabilizou os estados pela crise, citando bilionários repasses da União — em reação, os governadores lançaram uma carta acusando-o de utilizar “instrumentos de comunicação oficial para produzir informação distorcida”. Com esse tom, a primeira carta teve a adesão de apenas dezesseis governantes. O grupo cresceu quando o discurso ganhou um teor menos acusatório. “Nesse momento da crise, o foco absoluto é na solução. Apontar culpados agora mais atrapalha do que ajuda. Vamos deixar o julgamento para depois”, resume o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB). O clima melhorou na segunda-feira 8, quando o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), coordenador do grupo, e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, selaram a paz no Rio. “Foi um momento importante para que pudéssemos apresentar um cronograma para março”, declarou Dias ao lado do auxiliar de Bolsonaro.

Cronograma e plano de imunização

O resultado final ficou mais próximo, de fato, do que se espera para o momento. Em tom moderado, o novo documento acerta ao defender os três pilares para frear o avanço do “maior adversário da nossa nação”: apoio a medidas preventivas (uso de máscaras, distanciamento social), ampliação do portfólio de vacinas à disposição e aumento de leitos para pacientes da Covid-19. Um dos itens mais importantes do ponto de vista político é a formação de um “comitê gestor” com representantes dos três poderes, que vai monitorar dia a dia o cronograma de vacinas e orientar ações que deverão ser postas em prática em âmbito nacional em momentos de crise, como cancelamento dos torneios esportivos, adoção de lei seca na madrugada e fixação de horários para toque de recolher. A criação de regras nacionais é uma das preocupações dos governadores, acossados por protestos em razão das políticas de fechamento do comércio que eles vêm sendo obrigados a adotar.

Continua após a publicidade

Arte números pandemia

Para evitar novos ruídos e outra deterioração do ambiente, o grupo deverá ser coordenado pelos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-­AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-­MG), que chegaram ao cargo graças ao Planalto, mas que têm sido importantes na construção de pontes entre os entes do Executivo — foi Lira, por exemplo, quem atuou como bombeiro para impedir que Bolsonaro fosse à TV fazer um pronunciamento crítico aos governadores.

O esforço concentrado já começou a render frutos. Com atuações decisivas de Lira e Pacheco, o Congresso aprovou o projeto de lei 534/2021, que destravou a compra de vacinas da Pfizer, e a MP 1 026/21, que autoriza estados e municípios a adquirirem imunizantes. A solução para o impasse com a Pfizer provocou duas imagens pouco comuns de Bolsonaro. O presidente, que se recusava a comprar o fármaco alegando que o laboratório queria se isentar de efeitos colaterais (o PL aprovado resolveu a questão), fez uma reunião virtual na segunda-feira com o CEO da farmacêutica, Albert Bourla, na qual pediu a antecipação de vacinas de um contrato para até 100 milhões de doses. A negociação envolveu até a participação ativa do ministro da Economia, Paulo Guedes. Bolsonaro enalteceu a empresa e disse que gostaria de fechar o acordo em razão da “agressividade que o vírus tem apresentado no Brasil”. A outra imagem incomum ocorreu dois dias depois, no Palácio do Planalto, quando ele apareceu usando máscara para sancionar o projeto e a MP. O presidente citou a mãe, Olinda Bolsonaro, de 93 anos, que recebeu duas doses da CoronaVac. A mudança de postura atingiu até os filhos Flávio e Carlos, que se mobilizaram nas redes sociais para propagandear que o pai sempre foi um adepto da vacinação. O presidente, no entanto, segue criticando as medidas de isolamento social e fechamento do comércio adotadas pela maioria dos governadores.

CARA A CARA - Bolsonaro e o CEO da Pfizer: o governo, enfim, propõe contrato -
CARA A CARA - Bolsonaro e o CEO da Pfizer: o governo, enfim, propõe contrato – (Marcos Corrêa/PR)

O movimento na direção certa se valeu até dos erros do país para tentar conseguir mais vacina. A crítica situação do Brasil em nível mundial — com mais de 270 000 mortos, tem 10% das vítimas da doença no planeta (2,62 milhões) — serviu para os brasileiros baterem com força em portas internacionais. Arthur Lira enviou um ofício ao embaixador da China, Yang Wanming, pedindo um “olhar amigo, humano e solidário” do maior fornecedor de vacinas e insumos hospitalares do mundo. O número 2 de Pazuello, o secretário executivo Élcio Franco, enviou ofício ao mesmo Wanming pedindo ajuda para comprar 30 milhões de unidades da vacina chinesa Sinopharm e apresentou uma justificativa dramática: “A campanha nacional de imunização corre risco de ser interrompida por falta de doses”, disse. O próprio Pazuello se reuniu com representantes ligados à Organização Mundial da Saúde para pleitear o envio imediato de doses do consórcio Covax Facility, do qual o Brasil é signatário, com direito a 42,5 milhões de unidades.

Continua após a publicidade

Ampliar a vacinação

Mas não só de poder público vive esse esforço concentrado. Tem sido cada vez maior o engajamento de empresários para ajudar a destravar o andamento da vacinação. O movimento Unidos pela Vacina (UPV), liderado por Luiza Trajano, do Magazine Luiza, vem conversando com governadores e prefeitos para identificar e sanar gargalos na campanha de imunização. Segundo Eduardo Sirotsky Melzer, CEO da EB Capital, a iniciativa, que envolve mais de 400 empresas, mobiliza os seus apoiadores para procurar diálogo com os governantes mais próximos. “Isso deu muita escala, velocidade e precisão no diagnóstico de cada região”, afirma. O movimento fez ainda uma pesquisa sobre os gargalos de vacinação em cada município — metade dos prefeitos respondeu. Os pedidos, segundo Melzer, incluem de geladeira com termômetro para guardar vacinas a rede de Wi-Fi para informatização de cadastros. As quatro empresas aéreas do Unidos pela Vacina — GOL, Latam, Azul e VoePass — transportam imunizantes a pedido do poder público. Outro grupo de empresários, organizados pela entidade Comunitas, enviou 186,6 milhões de reais ao governo João Doria (PSDB) para a construção de uma fábrica de insumos necessários à produção da CoronaVac. “Existe um esforço muito grande do setor privado”, afirma Maria Elisa Curcio, diretora jurídica e de relações institucionais da Ypê, que doou 1 milhão de reais para o projeto. A Amazon, outra companhia associada ao Comunitas, disponibilizou 5,3 milhões de reais. No total, já são 41 doadores, entre eles bancos e empresas de varejo, alimentação e saúde.

AÇÃO PRIVADA - Luiza Trajano: empresários se mobilizam para apoiar a vacinação -
AÇÃO PRIVADA - Luiza Trajano: empresários se mobilizam para apoiar a vacinação – (Ana Volpe/Agência Senado)

O movimento dos setores público e privado e o consenso que vem se formando sobre a necessidade de ampliar a vacinação podem ajudar o país a sair da pior situação. Apesar da crise aguda em março — dos 46 milhões de doses esperadas, devem chegar no máximo 25 milhões —, o horizonte para abril pode ser mais auspicioso, com a expectativa de o país receber cerca de 45 milhões de unidades, que incluem a entrega dos primeiros lotes do imunizante da AstraZeneca produzidos pela Fundação Oswaldo Cruz — a estimativa é de até 7 milhões de doses por semana. E também a disponibilização pelo Butantan de cerca de 15,7 milhões de CoronaVac.

A reação chega depois que o país já pagou um preço altíssimo pela demora no início da vacinação, provocada por um misto de incompetência de gestão e cegueira ideológica. Foram necessários um ano e mais de 270 000 mortes para uma mudança de postura dos governantes. Sem um esforço concentrado, não é possível vencer a guerra contra a pandemia. Que as principais autoridades do país tenham realmente aprendido essa lição.

Com reportagem de Tatiana Farah

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 17 de março de 2021, edição nº 2729

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.