Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Bolsonaro anuncia astronauta Marcos Pontes para Ciência e Tecnologia

Tenente-coronel da reserva da Aeronáutica participou em 2006 de missão da Nasa para o espaço; filiado ao PSL, foi eleito suplente do senador Major Olímpio

Por Guilherme Venaglia Atualizado em 31 out 2018, 15h33 - Publicado em 31 out 2018, 11h26

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta quarta-feira que Marcos Pontes, o primeiro astronauta brasileiro a viajar para o espaço, em 2006, será indicado para o cargo de ministro da Ciência e Tecnologia em seu governo.

Tenente-coronel da Força Aérea Brasileira (FAB), Pontes é, segundo o currículo divulgado em seu site oficial, engenheiro aeronáutico formado pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), com mestrado em engenharia de sistemas pela universidade americana Naval Postgraduate School.

Continua após a publicidade

Sua primeira experiência na política foi em 2014, quando concorreu a deputado federal em São Paulo pelo PSB, mas não foi eleito. Filiado ao PSL de Bolsonaro desde o início do ano, Marcos Pontes chegou a ser cogitado para compor a chapa como candidato a vice-presidente, mas acabou não sendo escolhido para a vaga. No último dia 7, foi eleito segundo suplente do senador eleito Major Olímpio (PSL-SP).

Antes de Pontes, o presidente eleito já havia escolhido outros três componentes do governo: o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que comandará a Casa Civil, o general da reserva Augusto Heleno, na pasta da Defesa, e o economista Paulo Guedes, à frente do futuro Ministério da Economia, que será criado com a fusão dos atuais ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria.

  • O anúncio do ex-astronauta para comandar a pasta de Ciência e Tecnologia já era dado como esperado havia alguns dias. Na segunda-feira, Marcos Pontes afirmou em uma rede social que “só faltava o anúncio oficial” para que pudesse ser confirmado para o cargo. No mesmo dia, Bolsonaro afirmou, em entrevistas a emissoras de televisão, que ele estava “quase” certo para a posição.

    “Muitas coisas para fazer. Como eu sempre digo: educação para formar cidadãos qualificados, ciência para desenvolver ideias e soluções específicas para o Brasil, tecnologia para transformar essas ideias em inovações que vão se transformar em novos produtos que vão se transformar em novas empresas e gerar novos empregos. E esse ciclo virtuoso é o que nós queremos criar no Brasil”, afirmou, na gravação.

    Continua após a publicidade
    Publicidade