Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bolsonaro acusa Witzel de dar ‘show’ na CPI combinado com Renan e Aziz

Bolsonaro ainda chamou o ex-governador do Rio de 'cara-de-pau' e disse que, se fosse boicotar, não mandaria dinheiro para ninguém

Por Da Redação Atualizado em 17 jun 2021, 21h59 - Publicado em 17 jun 2021, 21h24

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel “deu showzinho” na CPI da Covid. Sem mostrar provas, o presidente insinuou que as falas de Witzel foram combinadas com o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), o relator, Renan Calheiros (MDB-AL) e o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a quem se referiu mais uma vez apenas como “senador saltitante”, sem citar seu nome.

“Ele deu o show dele, foi lá para me criticar dizendo que eu abandonei, que eu boicotei. O dinheiro foi para ele. Se eu fosse boicotar não mandava dinheiro pra ninguém”, disse o presidente em sua tradicional live nas redes sociais na noite desta quinta-feira, 17. Bolsonaro ainda chamou o ex-governador fluminense de ‘cara-de-pau’ ao comentar a declaração de Witzel de que tinha sido procurado pelo presidente durante a campanha.

Wilson Witzel prestou depoimento à CPI da Pandemia nesta quarta e acusou Bolsonaro de ter boicotado as medidas de isolamento nos estados e de ter recusado o emprego dos hospitais federais no Rio para pacientes com Covid-19.

O ex-governador também afirmou que tinha um “fato gravíssimo” a revelar relacionado a possíveis intervenções do governo federal em sua administração. Ele deve voltar a falar com os membros da CPI, mas desta vez em uma sessão fechada e sigilosa.

Vacina

O presidente voltou a citar, ainda que indiretamente, a chamada “imunidade de rebanho”, que é contestada por especialistas em saúde pública e infectologistas. Segundo Jair Bolsonaro, para efeito de imunização contra a Covid-19, é mais eficaz contrair o vírus do que se vacinar. Essa estratégia, de acordo com especialistas, não funciona, já que muitas pessoas morreriam no processo. Além disso, quem já teve a doença pode ser reinfectado.

“Eu já me considero, eu não me considero não, eu estou vacinado, entre aspas. Todos que contraíram o vírus estão vacinados, até de forma mais eficaz que a própria vacina porque você pegou o vírus para valer. Então, quem contraiu o vírus, não se discute, esse está imunizado”, afirmou Bolsonaro.

Novo partido

Bolsonaro disse também que está com negociações avançadas para se filiar a um novo partido. Na quarta, ele se reuniu com parlamentares aliados no Palácio do Alvorada para discutir o assunto.

“Eu vou ter que ter um partido, e eu já teria resolvido esse assunto, mas tem que ser muito bem conversado. A legislação partidária é complicada, os partidos geralmente têm donos. Mas está bastante avançada a ida minha para um partido, um partido pequeno”, afirmou Bolsonaro.

A expectativa é que o presidente se filie ao Patriota, legenda que possui uma bancada de apenas seis deputados federais na atual legislatura. No Senado, o partido é representado por Flávio Bolsonaro, senador pelo Rio de Janeiro, filho do presidente e um dos articuladores da filiação do pai. Se esta mudança de partido se confirmar, no entanto, a bancada deve crescer significativamente, com a ida de dezenas de parlamentares, a maioria do PSL, que são aliados do presidente.

“Tenho certeza que muitos dos deputados irão, só que a gente só vai poder falar sobre isso, na verdade decidir sobre a mudança, primeiro depois que o presidente anunciar, e também na janela [partidária], que é só no ano que vem. Na janela, muitos certamente migrarão e a gente está ansioso por essa mudança do presidente”, afirmou o deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO), ex-líder do governo na Câmara que também participou da live. A chamada janela partidária é o prazo para que candidatos mudem de partido sem risco de perder o mandato. Esse período ocorre sempre em ano eleitoral, a seis meses do pleito.

O Patriota marcou uma convenção nacional para o próximo dia 24, em Brasília, onde deve deliberar sobre alterações estatutárias e a possibilidade do partido ter candidato próprio à presidência.

Continua após a publicidade

Eleito em 2018 pelo Partido Social Liberal (PSL), Bolsonaro se desligou da agremiação em novembro de 2019. Na época, ele anunciou a criação de um novo partido, o Aliança pelo Brasil, que precisava recolher um número mínimo de 500 mil assinaturas em pelo menos 9 estados para ser formalizado na Justiça Eleitoral. O projeto, no entanto, acabou não tendo êxito e o presidente passou a articular a filiação em um partido já existente.

Durante a live, Bolsonaro afirmou que, se for candidato à reeleição no ano que vem, vai dar prioridade para a eleição de aliados no Senado, onde ele gostaria de ter uma base mais sólida. “Há um interesse meu, se for participar das eleições, crescer a bancada de senadores. São 27 cadeiras que podem sofrer alterações no ano que vem.”

O presidente minimizou o fato de se transferir para um partido pequeno, com poucos recursos do fundo partidário e com tempo de televisão de apenas 25 segundos, segundo disse.

“Cada ano que passa, o horário eleitoral gratuito perde sua força por ocasião das eleições. Cada vez mais, a população se orienta através das mídias sociais e não pelo horário eleitoral gratuito”, enfatizou.

Voto impresso

O presidente também voltou a defender a implantação do voto impresso nas eleições de 2022. Segundo ele, caso não exista o chamado “voto auditável” nas urnas, um lado poderia não aceitar os resultados da eleição e “criar uma convulsão no Brasil”.

“Vamos respeitar o Parlamento. Caso contrário, teremos dúvidas nas eleições e podemos ter um problema seríssimo no Brasil. Pode um lado ou outro não aceitar e criar uma convulsão no Brasil”, disse o presidente.

O tema está em tramitação no Congresso Nacional por meio da Proposta de Emenda Constitucional 135/2019, apresentada pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) e sob a relatoria do deputado federal Filipe Barros (PSL-PR). A medida torna obrigatória a impressão do voto para auditagem e a expectativa é que o voto do relator seja apresentado ainda este mês na Câmara.

Armas

Jair Bolsonaro disse ainda que pretende propor um projeto para estender o prazo de recadastramento de armas não regularizadas no Brasil. De acordo com o chefe do Planalto, “todas as ditaduras são precedidas por campanhas de desarmamento”. E completou: “Nosso governo não quer saber de campanha de desarmamento”.

O presidente voltou a criticar integrantes do poder Judiciário, que se opõe à flexibilização das regras para porte e posse de arma. “Não abrem mão de segurança particular”, afirmou.

Já o deputado Vitor Hugo (PSL-GO), presente na transmissão ao lado de Bolsonaro, defendeu proposta de flexibilização do porte de armas que eliminaria a necessidade de comprovar “efetiva necessidade” de se ter armas.

Com Agência Brasil

Continua após a publicidade
Publicidade