Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Arthur Lira e Rui Costa: da pressão pela demissão ao armistício

Ministro pediu ajuda a um adversário político na Bahia para se aproximar do deputado, com quem agora conversa com regularidade

Por Daniel Pereira
26 nov 2023, 12h00

O ministro Rui Costa é alvo de críticas diversas à frente da Casa Civil. Do Palácio do Planalto ao Congresso, diz-se que ele não faz política, tem péssima relação com os parlamentares e atropela colegas de governo. Responsável por coordenar a equipe do terceiro mandato do presidente Lula, Costa conseguiu, em pouco meses de trabalho, tornar-se o alvo preferencial das reclamações até dos congressistas, com os quais não costuma lidar diretamente.

Em conversas reservadas, ele já foi chamado por integrantes da cúpula do Legislativo de “troglodita” e “desleal”, entre outros termos menos edificantes. Até petistas diziam — e ainda dizem — que acordos firmados pelo ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, não eram cumpridos por serem barrados pelo chefe da Casa Civil.

A insatisfação chegou a tal ponto que o presidente da Câmara, Arthur Lira, sugeriu a Lula, em maio, a demissão de Rui Costa, que passou recibo em público com um frase desastrosa, da qual se desculpou depois: “Brasília é difícil. É difícil porque lá fazer o certo, para muitos, está errado. E fazer o errado, para muitos, é que é o certo na cabeça deles”.

Acossado, o chefe da Casa Civil resolveu reagir. Primeiro, procurou o líder do União Brasil na Câmara, deputado Elmar Nascimento, um dos generais do Centrão e seu adversário político na Bahia. Costa, que havia aconselhado Lula a não nomear Nascimento para o ministério, pediu ajuda ao deputado para se aproximar de Arthur Lira. Conseguiu depois de dizer que não trabalharia contra a candidatura de Nascimento ao comando da Câmara, em 2025.

Continua após a publicidade

A VEJA, o líder do União Brasil disse que articulou a conversa pedida pelo ministro e que, atualmente, Rui Costa e Arthur Lira conversam com frequência. Há sinais evidentes da aproximação entre eles. Sob a alegação de ausência de “fato determinado”, o presidente da Câmara anulou a convocação do ministro para depor na CPI do MST, controlada por bolsonaristas.

Tempos depois, Lira indicou ao próprio Rui Costa — e não a Fernando Haddad, titular da Fazenda, ou Padilha, articulador político do governo — o nome que queria ver empossado na Caixa Econômica Federal. Rui Costa pode até não gostar de fazer política, mas abriu uma exceção providencial diante da necessidade de se resguardar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.