Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Após post de Gisele, governo diz que reserva ‘não é um paraíso’

Presidente Michel Temer disse que reorganizou uma área ambiental alvo de garimpo: 'O governo não alterou nenhuma reserva ambiental da nossa Amazônia'

Por Da Redação Atualizado em 30 ago 2017, 18h09 - Publicado em 24 ago 2017, 20h13

O Palácio do Planalto emitiu uma nota oficial para justificar a extinção da Reserva Nacional do Cobre e seus Associados (Renca), nome pelo qual ficou conhecida uma área de 47 mil quilômetros quadrados na região da Amazônia, mais especificamente nos estados do Pará e Amapá. O comunicado foi divulgado após a repercussão das postagens sobre o assunto que a modelo Gisele Bündchen fez em redes sociais.

A nota do governo federal diz que a Renca “não é um paraíso, como querem fazer parecer, erroneamente, alguns”. Em nenhum momento o nome da modelo foi citado. “Territórios da Renca original estão submetidos à degradação provocada pelo garimpo clandestino de ouro, que, além de espoliar as riquezas nacionais, destrói a natureza e polui os cursos d’água com mercúrio”, disse o Planalto.

A decião do presidente Michel Temer (PMDB) que revogou o status de reserva da área, decretado em 1984, tomou como base as justificativas do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho (PSB), que defendeu a medida para viabilizar “o acesso ao potencial mineral existente na região e estimulará o desenvolvimento econômico dos estados envolvidos”. A área tem o ouro como principal riqueza mineral.

O Planalto declarou que “a nova legislação permite coibir essa exploração ilegal, recolocando sob controle do estado a administração racional e organizada de jazidas minerais importantes, que demandam pesquisas e exploração com alta tecnologia”. O governo também negou que a extinção da reserva afetará as Unidades de Conservação Federais, as quais englobam áreas de conservação da natureza, terras indígenas e áreas em faixa de fronteira.

Continua após a publicidade

“Qualquer empreendimento futuro que possa vir a impactar áreas de conservação estaduais do Amapá e Pará — essas sim sujeitas a manejo — terá de cumprir exigências federais rigorosas para licenciamento específico, que prevê ampla proteção socioambiental”, diz a nota.

Temer também se pronuncia

A exemplo de Gisele, o presidente Michel Temer também recorreu ao Twitter para responder às críticas pela extinção da reserva. “O governo não alterou nenhuma reserva ambiental da nossa Amazônia. Reorganizamos uma área mineral, hoje alvo do garimpo. É bem diferente”, publicou.

O peemedebista disse estar comprometido com o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Ele afirmou que o governo unirá a preservação ambiental com a geração de renda para as populações locais.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)