Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Alckmin toma posse, e PSDB completa 20 anos de governo em São Paulo

Tucano chega a seu décimo ano como governador paulista e, cotado para concorrer à Presidência da República em 2018, faz críticas ao governo federal

Por Felipe Frazão 1 jan 2015, 09h36

“O Brasil precisa se livrar da máquina corrupta que insiste em sequestrá-lo. Os brasileiros de São Paulo repudiam o aparelhamento da máquina pública e consideram repugnante a prática política que transforma o Estado num clube”

(Atualizada às 14h30)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e seu vice-governador, Márcio França (PSB), tomaram posse nesta quinta-feira na Assembleia Legislativa do Estado. Alckmin deu início a seu quarto mandato como governador – o vigésimo ano do PSDB no comando de São Paulo, recorde no país. Este será o décimo ano de Alckmin como governador paulista. Ele fez um balanço de seu governo e emendou críticas ao governo federal.

Em seu primeiro discurso de posse, Alckmin enumerou obras e investimentos de sua gestão, sem mencionar temas sensíveis ao governo, como a crise hídrica. “Muito avançamos, mas temos um trabalho hercúleo pela frente”, disse o tucano ao se dirigir aos deputados. “Muito avançamos, nobres deputados e deputadas, mas de nada adianta se não continuarmos seguindo em diante, enfrentando os desafios permanentes que transformam São Paulo na terra da superação. Divergência haverá aos borbotões, como sempre houve, mas nunca ameaças ou deslealdade de ambas as partes.”

Alckmin recebeu oficialmente o cargo da Mesa Diretora da Alesp, presidida pelo tucano Samuel Moreira. Ele foi recepcionado no Palácio Nove de Julho por deputados federais e estaduais eleitos, pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Antônio Carlos Mathias Coltro, pelo procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, e pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Renato Nalini, além de integrantes de sua equipe de governo. Antes da solenidade, o governador reuniu-se com líderes de sua base aliada.

Alckmin seguiu para o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, onde deu cargo aos seus secretários e discursou novamente. Alckmin usou um tom mais forte na sede do governo e criticou indiretamente o governo federal, a condução da economia e a corrupção. Ele construiu um pronunciamento contra os “falsos dilemas”, como o antagonismo entre o “Estado mínimo e o Estado intervencionista”, e pregou, assim como na ALESP, a colaboração da oposição.

“Todos nós conhecemos os duros prognósticos para a economia nos próximos anos. O país poderá viver dias difíceis. Mas o discurso fácil do pessimismo só é mais fácil que o discurso do otimismo irresponsável que já nos custou muito caro”, disse Alckmin. “Ou todos, incluindo governo e oposição, convergem para recuperar a economia e aprovar as reformas essenciais ou 2015 será outro ano perdido.”

O governador disse “vivemos em um país injusto” e defendeu que o Estado lidere o combate à pobreza dos indivíduos, mas “sem a pretensão de doutriná-los ou tutelá-los”. “As políticas que servem para combater a pobreza extrema devem servir para libertar os homens, não para fazer deles objetos de uma nova servidão”, disse em referência aos programas federais de transferência de renda.

O governador também mencionou a crise de abastecimento de água, ressaltando a “solidariedade e a participação da população” para superá-la. Em menção sobre as manifestações de rua que eclodiram no país nos últimos dois anos, afirmou que “o direito à livre expressão pode e deve conviver com a integridade física e o direito de ir e vir”.

Leia mais:

Posse de Dilma reúne 44 autoridades estrangeiras

No ano passado, Alckmin recebeu 12,2 milhões de votos, o equivalente a 57,31% dos válidos, e foi reeleito no primeiro turno. Ele superou com folga os dois principais candidatos de oposição: Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT). O tucano é um dos nomes cotados no partido para concorrer à sucessão de Dilma em 2018.

Alckmin terá como principais desafios a crise de abastecimento de água no Estado e a entrega de obras de infraestrutura e mobilidade urbana, principalmente a expansão da rede de trens e metrô, além do prosseguimento das investigações contra o cartel de empresas que fraudou licitações no setor de transporte sobre trilhos.

Alckmin assumiu o governo estadual pela primeira vez em 2001. Ele era vice-governador de Mário Covas, que inaugurou a série histórica no partido à frente do Estado, e morreu por causa de um câncer naquele ano. Alckmin foi reeleito em 2002. Ele renunciou em 2006 para concorrer à Presidência da República, mas foi derrotado pelo ex-presidente Lula. Na ocasião, o então vice-governador Cláudio Lembo, à época no extinto PFL, assumiu o mandato por nove meses, único período em que o PSDB não esteve no comando do Estado. Em 2010, Alckmin conseguiu voltar ao Bandeirantes ao derrotar no primeiro turno o petista Aloizio Mercadante, atualmente ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff.

“São Paulo não pode esperar um dia, um minuto, para oferecer ao país a sua parcela de luta. São Paulo nunca vai virar as suas costas ao Brasil”, disse Alckmin, repetindo trecho do discurso de posse de Mário Covas em 1999.

Lista de secretários do governo de São Paulo

Administração Penitenciária: Lourival Gomes (reconduzido)

Agricultura e Abastecimento: Arnaldo Jardim

Casa Civil: Edson Aparecido

Casa Militar: Cel. PM. José Roberto Rodrigues de Oliveira (reconduzido)

Continua após a publicidade

Cultura: Marcelo Mattos Araújo (reconduzido)

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação: Márcio França

Desenvolvimento Social: Floriano Pesaro

Direitos da Pessoa com Deficiência: Linamara Rizzo Batistella (reconduzida)

Educação: Herman Jacobus Cornelis Voorwald (reconduzido)

Emprego e Relações do Trabalho: João Dado

Energia: João Carlos Meirelles

Esporte, Lazer e Juventude: Jean Madeira

Fazenda: Renato Villela

Governo: Saulo de Castro Abreu Filho

Habitação: Nelson Luiz Baeta Neves Filho

Justiça e Defesa da Cidadania: Aloísio de Toledo César

Logística e Transportes: Duarte Nogueira

Meio Ambiente: Patricia Faga Iglecias Lemos

Planejamento e Desenvolvimento Regional: Marcos Monteiro

Procuradoria Geral do Estado: Elival da Silva Ramos (reconduzido)

Saneamento e Recursos Hídricos: Benedito Braga

Saúde: David Uip (reconduzido)

Segurança Pública: Alexandre de Moraes

Transportes Metropolitanos: Clodoaldo Pelissioni

Turismo: Roberto de Lucena

Continua após a publicidade
Publicidade