Clique e assine a partir de 8,90/mês

Aécio Neves reclama da exclusão de MG do governo Dilma

Para senador, presidente deveria ter reservado mais ministérios a mineiros

Por Da Redação - 2 jan 2011, 09h49

O senador eleito por Minas Gerais Aécio Neves (PSDB) criticou a composição do ministério da presidente Dilma Rousseff, afirmando que seu estado foi excluído politicamente do primeiro escalão do governo da petista. Aécio elogiou o ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-aliado Fernando Pimentel (PT), mas disse que a escolha do nome para a pasta do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior foi feita como parte da cota pessoal da presidente.

“Eu vejo que Minas, do ponto de vista político, ficou excluída do atual governo. Eu espero que isso não signifique a exclusão dos investimentos que nós precisamos ter em Minas, nas nossas rodovias, no metrô de Belo Horizonte, nos nossos aeroportos, na saúde e na educação”, disse no sábado após participar da solenidade de posse do governador Antonio Anastasia (PSDB), em Belo Horizonte.

No entanto, Aécio voltou a dizer que espera ter com Dilma uma relação democrática e republicana e que está convencido de que não haverá discriminação a Minas. Ele evitou especular sobre o possível comportamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva daqui para a frente. O senador, porém, lembrou o fato de Lula já ter dito algumas vezes que demonstrará na prática como deve agir: “Vamos aguardar e observar qual é a forma que ele compreende que seja a mais adequada para um ex-presidente da República.”

Refundação – Aécio reiterou que pretende trabalhar por um Congresso Nacional mais independente em relação ao Executivo e disse que já vem negociando com os futuros colegas, inclusive com senadores da base do governo, uma proposta de fortalecimento da federação.

Ele voltou a criticar o que considera uma relação de subserviência do parlamento ao governo, destacando que o Congresso tem de construir sua própria agenda e “não pode ficar caudatário dos interesses exclusivos do Executivo”. Para ele, há atualmente “um campo fértil” para adoção de medidas de proteção aos municípios, por exemplo. “Esse é o primeiro passo para refundarmos também a Federação no Brasil.”

Líder da oposição, Aécio descartou a possibilidade de presidir o Senado. Prometeu, contudo, uma atuação parlamentar “vigorosa” e defendeu a composição da direção da casa com base na proporcionalidade. “Acredito que em dois meses após a nossa posse nós possamos apresentar ao Brasil uma agenda que fale de reforma política, da questão tributária, da própria reforma do estado brasileiro e, principalmente, da Federação, do fortalecimento de estados e municípios.”

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade