Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

A proposta que o PT fez ao marqueteiro de Lula antes da demissão

O partido queria que Augusto Fonseca fizesse um 'empréstimo ' à legenda, arcando com os custos iniciais da pré-campanha

Por Hugo Marques Atualizado em 2 Maio 2022, 10h23 - Publicado em 30 abr 2022, 09h44

O marqueteiro Augusto Fonseca cuidava desde fevereiro da campanha eleitoral de Lula. Neste semana, ele foi demitido sem nenhuma explicação oficial do partido ou do ex-presidente da República. Apesar da liderança ainda folgada de Lula nas pesquisas de intenção de voto, existe uma disputa interna no PT por poder e dinheiro. O marqueteiro foi a primeira vítima mais graduada dessa guerrilha.

Desde que a vantagem de Lula sobre Bolsonaro começou a diminuir, eclodiram rusgas entre o coordenador de comunicação da campanha, o ex-ministro Franklin Martins, e o secretário de comunicação do PT, Jilmar Tatto, que tem o apoio do prefeito de Araraquara, Edinho Silva, e do secretário de Relações Internacionais do partido, Romênio Pereira.

Antes de ser defenestrado da campanha, Augusto Fonseca recebeu uma proposta. A ala ligada a Jilmar Tatto queria que ele fizesse uma espécie de ‘empréstimo’ para o partido. A proposta era a seguinte: Augusto arcaria com gastos iniciais da pré-campanha, calculados entre 6 e 7 milhões de reais.

O PT tem problemas de caixa, responde a vários processos por dívidas e algumas contas do partido estão bloqueadas.

O marqueteiro recebeu a garantia de que receberia o dinheiro investido de volta tão logo ocorresse a liberação dos recursos do fundo eleitoral, mas ele não aceitou a proposta.

O passivo do partido apenas com a União ultrapassa 20 milhões de reais. São em grande parte dívidas previdenciárias, multas eleitorais e débitos fiscais.

Fonseca será substituído por Sidônio Palmeira, marqueteiro ligado ao governador da Bahia, o petista Rui Costa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)