Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A “mão de ferro” de Valdemar — o “dono” do PL

Dirigente partidário deu as cartas mesmo enquanto esteve na detido na penitenciária da Papuda, em Brasília

Por Leticia Casado e Ricardo Chapola Atualizado em 3 abr 2022, 09h55 - Publicado em 3 abr 2022, 08h43

A trajetória de Valdemar Costa Neto foi construída nos bastidores da política e o crescimento do PL, hoje o maior partido do país —e do presidente Jair Bolsonaro e do provável vive, general Braga Netto—, é resultado de um controle com “mãos de ferro” por parte do dirigente. Ele é apontado como “dono” da legenda: nada acontece sem seu aval.

Condenado e preso no mensalão, Valdemar deu as cartas mesmo enquanto esteve na Papuda.

Naquela época, o PL —que se chamava PR, mas mudou o nome depois do mensalão para se desassociar do escândalo—fez uma convenção para oficializar o apoio à reeleição de Dilma Rousseff. Às vésperas do início oficial da campanha, o cacique fez chegar ao Planalto a informação de que estava insatisfeito com o então ministro dos Transportes, seu aliado César Borges, e queria trocar o responsável pela pasta ou então a legenda apoiaria o adversário Aécio Neves (PSDB).

O burburinho elevou a tensão de petistas, e nos corredores do Congresso tucanos comemoravam o iminente apoio do partido de Valdemar na eleição presidencial, que aumentaria em mais de um minuto o tempo na propaganda eleitoral gratuita. Em 25 de junho de 2014, Dilma demitiu Borges, colocou Paulo Sérgio Passos no cargo (outro aliado de Valdemar que já havia ocupado a pasta) e consolidou o apoio do partido à sua candidatura.

A estrutura do PL facilita o comando único e forte por dar poder ao presidente de dissolver os diretórios estaduais sem consulta ou justificativa, evitando assim qualquer iniciativa de oposição interna, autonomia para estados ou controle sobre o dinheiro. O PL não tem uma comissão executiva permanente, diferentemente, por exemplo, de PT ou PSDB.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)