Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

A influência de Rosângela Moro na campanha e nas decisões do marido

Sob os olhares da esposa, ex-juiz lavou a roupa suja antes de anunciar a decisão de deixar o Podemos

Por Laryssa Borges 3 abr 2022, 13h36

A noite do último domingo, 27, foi um divisor de águas para a campanha do pré-candidato à Presidência da República Sergio Moro. Oficialmente uma reunião foi agendada para a casa do ex-juiz em Curitiba para mais uma rodada de aconselhamentos políticos com a cúpula do Podemos e de promessas de que o desempenho estacionado entre 6% e 9% seria alavancado naturalmente na medida em que se aproximassem as semanas que antecedem a data do primeiro turno. Na realidade, acabou por ser o empurrão que faltava para o ex-magistrado da Lava-Jato deixar o partido e anunciar, na quinta 31, sua filiação ao União Brasil.

A advogada Rosangela Moro, esposa de Moro, protagonizou os momentos mais tensos do encontro ao cobrar dos senadores paranaenses Alvaro Dias, Oriovisto Guimarães e Flávio Arns, todos do Podemos, maior empenho na defesa da candidatura de Moro. Rosangela que em ocasiões anteriores já havia afirmado a interlocutores que o partido mais atrapalhava do que ajudava o marido, ouviu dos parlamentares, em resposta, que a pré-campanha morista estava fora da realidade ao exigir altas cifras para atividades políticas e viagens de promoção do candidato. Alvaro Dias, que havia concorrido à presidência pela sigla em 2018 gastou pouco mais que 6 milhões de reais, enquanto o staff de Moro havia estimado em pelo menos dez vezes mais as despesas de sua campanha para este ano.

Além da cobrança pessoal da advogada Rosângela Moro, a reunião final de Moro com a cúpula do Podemos foi marcada por críticas à presidente da sigla Renata Abreu por priorizar financeiramente a eleição de deputados federais e por uma sequência de indiretas para que Sergio Moro procurasse um partido com maior estofo eleitoral para suas pretensões. No dia seguinte, o ex-juiz se reuniu com o presidente do União Brasil Luciano Bivar e na quinta anunciou sua filiação à sigla, detentora de cerca de 800 milhões de reais de fundo eleitoral.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)