Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Voo da Air France quase colidiu com vulcão na África

Investigadores franceses iniciaram um inquérito depois que a aeronave quase se envolveu um acidente no inicio deste mês. Mais de 30 pessoas estavam a bordo

Por Da Redação 27 Maio 2015, 15h47

A Agência de Investigação de Acidentes Aéreos francesa (BEA, na sigla em francês) iniciou os inquéritos sobre um avião da Air France que “evitou por pouco” uma colisão com a maior montanha da República Centro Africana no começo de maio, reporta a CNN nesta quarta-feira. O Boeing 777, com 37 pessoas a bordo, fazia uma viagem curta de Malabo, capital da Guiné Equatorial, para Douala, a maior cidade de Camarões, onde deveria pegar mais passageiros rumo a Paris, quando se deparou com mal tempo no dia 2 de maio — momento em que a aeronave fugiu da rota planejada para evitar raios e trovoadas.

LEIA TAMBÉM:

Voo da Air France de Paris para Nova York recebe escolta após ameaça

Após tragédia nos Alpes, companhias aéreas mudam procedimentos nas cabines

Airbus A320 já sofreu muitos acidentes

Continua após a publicidade

Justiça conclui investigação sobre acidente da Air France

O avião estava a 3.000 metros de altitude no instante em que foi realizado um desvio de trajeto pelos pilotos. A mudança brusca de rota deixou a aeronave muito próxima ao Monte Camarões, a montanha mais alta da região, com cerca de 4.000 metros de altura, que abriga um vulcão (sua última atividade foi em 2000). A manobra desencadeou um aviso de emergência de um sistema automático de alerta de aproximação do solo, orientando a tripulação a “subir”, informou a BEA em um comunicado. Em nota, a companhia Air France informou que os pilotos do Voo 953 responderam “imediatamente o sistema de aviso de proximidade do solo, aplicando o procedimento adequado”. E acrescentou que seus pilotos “recebem treinamento regular para este tipo de manobra”.

LEIA TAMBÉM:

​Sete maneiras de aumentar as chances de sobrevivência em um acidente aéreo

Um funcionário da Air France disse à rede CNN que os passageiros não estavam cientes do incidente no momento da manobra. Também em nota, a companhia aérea disse que está conduzindo sua própria investigação interna e acrescentou que concedeu informações para a tripulação sobre “as especificidades do relevo em torno de Douala”. Colisões e falhas decorrentes de erros e da imperícia dos pilotos provocaram alguns dos acidentes com maior número de vítimas da história da aviação.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade