Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vladimir Putin coloca Barack Obama em xeque

Como a influência militar russa no Oriente Médio colocou o governo americano em situação desconfortável

Por Daniela Macedo 28 set 2015, 20h24

A recente expansão da influência militar da Rússia no Oriente Médio começa a mostrar que Moscou pode ser mais do que uma pedra no sapato da política externa dos Estados Unidos. No domingo, Washington foi surpreendida por uma rasteira do governo russo: o anúncio de um acordo entre Irã, Iraque, Síria e Rússia para o compartilhamento de inteligência no combate ao Estado Islâmico.

A exclusão do governo americano na nova coalizão para combater os terroristas do EI refletiu nos discursos dissonantes proferidos nesta segunda-feira na Assembleia Geral da ONU pelo presidente americano, Barack Obama, e pelo presidente russo, Vladimir Putin. Obama chamou o ditador sírio Bashar Assad de tirano e tentou amenizar a situação ao afirmar que “os Estados Unidos estão preparados para trabalhar com qualquer nação, incluindo Rússia e Irã, para terminar o conflito”. O líder russo, por outro lado, ressaltou que as únicas forças lutando efetivamente contra o Estado Islâmico são as comandadas por Assad e pediu o apoio do Ocidente ao ditador sírio na luta contra os terroristas. “Seria um erro enorme não cooperar com aqueles que combatem frontalmente o terrorismo”, enfatizou.

Leia também:

Contra o EI, Putin quer ‘coalizão parecida com a que derrotou Hitler’

Obama chama Assad de “tirano” em discurso na ONU

Continua após a publicidade

Somado ao envio de equipamento militar à Síria, o acordo firmado com Iraque, Irã e Síria não só impulsionou a influência de Putin junto ao aliado Assad como também se posicionou à frente de Obama na escolha de um possível substituto ao líder sírio, caso Assad deixe o poder.

“Além de aumentar a influência russa no Oriente Médio, a manobra de Putin deixou Obama em uma posição muito delicada, pois obriga os EUA a voltarem à mesa de negociações com a Rússia após a invasão da Crimeia [fevereiro de 2014] e força os americanos e outras nações do Ocidente a se posicionarem em relação ao conflito na Síria”, explica o especialista em relações internacionais Rodrigo Reis, diretor do Instituto Global Attitude. E foi o que aconteceu: os dois líderes se encontram a portas fechadas na noite de hoje.

Segundo análise da emissora CNN, discursos dos presidentes chinês, Xi Jinping, e do Irã, Hassan Rohani, também desnudaram as falhas do legado pessoal de Obama na política externa, área que já está questionada em casa, com críticas dos candidatos presidenciais republicanos. Para a CNN, o que está em jogo é o conceito de uma ordem mundial baseada em sete décadas de liderança global dos EUA. Os desafios multipolares parecem ser muito complexos e custosos politica e financeiramente para o poder americano, que enfrenta desafios no leste da Europa, no Oriente Médio, na Ásia e na África.

Irã cutuca os EUA – O presidente iraniano alfinetou Washington ao falar dos atuais conflitos no Oriente Médio. Segundo ele, a política externa dos Estados Unidos “cultiva as sementes da divisão e do extremismo” na região. “Não devemos esquecer que as raízes das guerras de hoje, da destruição e do terror, podem ser encontradas na ocupação e nas intervenções militares de ontem”.

De olho no vantajoso pacto nuclear assinado recentemente com o Grupo 5+1 (EUA, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Rússia e China), contudo, Rohani se conteve nas acusações. A suspensão de sanções econômicas impostas ao Irã pode, no futuro, insuflar ainda mais os conflitos que Estados Unidos e aliados tentam combater – atualmente, o Irã oferece ajuda financeira de 6 bilhões de dólares por ano ao ditador sírio Bashar Assad – e, assim, apertar ainda mais o nó que Obama tenta desatar.

Continua após a publicidade
Publicidade