Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Venezuela: protestos deixam dois mortos e mais de 100 detidos

Paola Ramírez Goméz, de 23 anos, é a nona vítima das manifestações contrárias ao governo de Nicolás Maduro

Por Da redação
Atualizado em 19 abr 2017, 19h24 - Publicado em 19 abr 2017, 19h20

A repressão contra “mãe de todas as marchas”,  manifestação convocada pelos opositores ao governo de Nicolás Maduro, registrou a segunda morte na tarde desta quarta-feira, na Venezuela. Paola Ramírez Goméz, de 23 anos, foi assassinada com um tiro na cabeça durante uma manifestação em San Cristóbal, no estado de Táchira. 

Paola é a nona vítima deixada pelos confrontos durante as manifestações das últimas três semanas.

Mais cedo, o adolescente Carlos José Moreno Baron, de 17 anos, também foi morto na região onde acontecia um protesto contra Maduroem Caracas. Segundo a família, Baron não participava das movimentações.

Continua após a publicidade

Os meios de comunicação locais responsabilizam as milícias armadas pelos crimes.

Protestos

Manifestantes contrários e favoráveis ao governo de Nicolás Maduro tomaram as ruas de Caracas e de outras cidades do país desde as primeiras horas desta quarta.

Os confrontos com a Guarda Nacional Venezuelana (GNB) também começaram cedo e foram registrados uso de bombas de gás lacrimogêneo contra os manisfestantes em Caracas e diversas outras cidades onde acontecem os protestos contra Maduro.

Continua após a publicidade

A oposição organizou o que chamou de “a mãe de todas as marchas” em resposta à tentativa do Tribunal Superior de Justiça (TSJ) de assumir os poderes da Assembleia Legislativa a ao anúncio feito por Maduro na terça-feira sobre a ativação de uma operação militar, policial e civil para derrotar um “golpe de Estado”, que atribui à oposição e aos Estados Unidos.

Os manifestantes espalhados por todo o país exigem que o governo apresente um cronograma para as eleições, que suspenda a repressão contra as manifestações e que respeite a autonomia da Assembleia Nacional, liderada pela oposição.

Nas últimas semanas, as ruas de Caracas foram cenário de confrontos com manifestantes encapuzados, que lançaram pedras e coquetéis molotov, em meio a nuvens de gás lacrimogêneo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.