Clique e assine com 88% de desconto

Venezuela: oposição lança manifesto para superar crise política

Coalizão contrária a Chávez, Mesa da Unidade Democrática, prometeu escolher candidato único por consenso no caso de haver novas eleições presidenciais

Por Da Redação - 23 jan 2013, 17h51

No dia em que simpatizantes ocuparam as ruas de Caracas em apoio ao governo Hugo Chávez, a oposição apresentou um documento com doze objetivos para os próximos meses. O primeiro ponto, sobre o “respeito à Constituição”, é uma crítica à manobra chavista para adiar por tempo indeterminado a posse de Chávez, que deveria ter sido realizada no dia 10. O presidente está internado desde 10 de dezembro em Havana, Cuba, onde foi submetido à quarta cirurgia para combater um câncer.

A manifestação dos chavistas ocorre na data que marca o fim da ditadura de Marcos Pérez Jiménez, em 1958. A oposição também tinha planejado um protesto para esta quarta-feira, mas cancelaram a manifestação depois do partido governista PSUV conclamar seus partidários a tomar as ruas da capital no mesmo dia. Optaram por realizar uma cerimônia restrito ao Parque Miranda, no leste de Caracas.

O ato político, liderado pela Mesa da Unidade Democrática (MUD), coalizão contrária ao governo, começou com um vídeo lembrando a queda de Jiménez e exaltando as aspirações dos jovens da época de construir um país de “paz, tolerância e progresso”. Em seguida, foram apresentados os dozes pontos para enfrentar a atual situação de incerteza na Venezuela.

Além do respeito à Constituição, o documento também defende o diálogo nacional permanente entre todos os setores do país e a luta contra o oportunismo político e pela igualdade nas condições eleitorais. A MUD também se comprometeu a escolher um candidato único por consenso no caso de novas eleições presidenciais serem realizadas no país.

Publicidade

Leia também:

Leia também: Ausência de Chávez enfraquece discurso bolivariano

aval concedido pelo Supremo Tribunal de Justiça

está melhorando e continua a governar

Publicidade

Saiba mais:

Ministro diz que “não há data prevista” para volta de Chávez

Publicidade