Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Vaticano sinaliza com mais tolerância em relação a gays

Texto de Sínodo não indica nenhuma mudança na oposição ao casamento homossexual, mas afirma que Igreja deve encontrar ‘espaço fraternal’, sem abdicar da doutrina

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h48 - Publicado em 13 out 2014, 13h43

O Vaticano divulgou um documento nesta segunda-feira no qual afirma que os “homossexuais têm dons e qualidades a oferecer para a comunidade cristã”. O texto foi elaborado pelo cardeal Péter Erdö, relator-geral do Sínodo dos Bispos, convocado pelo papa Francisco, que discutirá temas relacionados à família até o próximo domingo. O relatório não aponta nenhuma mudança na oposição ao casamento gay, mas usa uma linguagem mais compassiva ao assinalar que a Igreja deveria aceitar o desafio de encontrar “um espaço fraternal” para os homossexuais, sem abdicar da doutrina católica sobre família e matrimônio.

Leia também:

Papa manda prender ex-arcebispo acusado de pedofilia

Papa destitui bispo paraguaio acusado de encobrir abusos

“Os homossexuais têm dons e qualidades a oferecer à comunidade cristã: somos capazes de acolher essas pessoas, garantindo a elas um espaço fraternal em nossas comunidades? Muitas vezes elas desejam encontrar uma Igreja que ofereça um lar acolhedor. Nossas comunidades serão capazes de proporcionar isso, aceitando e valorizando sua orientação sexual, sem fazer concessões na doutrina católica sobre família e matrimônio?”, indaga o relatio post disceptationem.

O documento segue ressaltando que a Igreja “afirma que uniões entre pessoas do mesmo sexo não podem ser consideradas da mesma forma que o matrimônio entre um homem e uma mulher”. “Sem negar os problemas morais relacionados às uniões homossexuais”, o relatório chama a atenção especialmente para as crianças que são criadas por casais do mesmo sexo, enfatizando que “as necessidades e os direitos dos pequeninos devem sempre ser prioridade”.

Leia mais:

Papa menciona perspectiva de sua morte pela 1ª vez

Continua após a publicidade

Na Albânia, papa critica uso de religião para justificar violência

Divorciados – O texto também reconhece “elementos positivos” mesmo em “formas imperfeitas” de formações familiares, como casais que moram juntos sem terem se unido no matrimônio, casais separados ou divorciados, que devem ser cuidadas por meio de “escolhas pastorais corajosas”. “Cada família deve, antes de tudo, ser ouvida com respeito e amor”, destaca o relatório.

“A situação de divorciados que voltaram a se casar demanda um cuidadoso discernimento e um acompanhamento com total respeito, evitando qualquer linguagem ou comportamento que possa fazê-los se sentir discriminados”, recomenda. “Para a comunidade cristã, cuidar dessas pessoas não significa um enfraquecimento da fé ou do testemunho da indissolubilidade do casamento, em vez disso, expressa precisamente sua caridade”.

Saiba mais:

Suprema Corte americana aprova casamento gay em cinco estados

O texto será discutido não apenas entre os bispos esta semana, mas também servirá para aprofundar a reflexão entre católicos de todo o mundo antes da assembleia ordinária no ano que vem.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade