Clique e assine a partir de 8,90/mês

UE aprova realocação de 120 mil refugiados

Um novo acordo aprovado nessa terça-feira estabelece que os imigrantes serão transferidos da Itália, Grécia e Hungria para outros países do bloco

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 21h24 - Publicado em 22 set 2015, 14h52

Os ministros da União Europeia aprovaram em votação realizada nesta terça-feira um acordo para realocar 120.000 refugiados, priorizando sírios, eritreus e iraquianos. Segundo o novo plano, os imigrantes serão transferidos da Itália (15.600), Grécia (50.400) e Hungria (54.000) para outros países do bloco.

Cerca de 66.000 requerentes de asilo serão realocados o mais rápido possível, a maioria para Alemanha, França e Espanha, e o destino dos outros 54.000 será decidido posteriormente.

O acordo foi aprovado com grande maioria de votos a favor e deve entrar em vigor nos próximos dois anos. Romênia, República Checa, Eslováquia e Hungria votaram contra as quotas obrigatórias de refugiados; a Finlândia foi o único dos 28 países a se abster na votação. O acordo era apoiado pela Alemanha e outras potências europeias como uma forma de resolver a pior crise de refugiados já vivenciada no continente desde a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais:

Ministros da UE se reúnem por acordo sobre refugiados

Continua após a publicidade

EUA ampliam em 30 mil o número de refugiados que pretendem receber até 2017

enda de coletes salva-vidas para imigrar para a Europa dispara no Iraque

Para amenizar as preocupações de alguns Estados membros da Europa Central e do Leste Europeu, os governos da União Europeia poderão retardar em um ano o recebimento de até 30% dos que pedirem asilo neste ano – o total já supera 500.000, de acordo com dados oficiais.

Para o ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maizière, um acordo sobre a forma de gerir os recém-chegados é apenas um primeiro passo na busca de uma solução para os refugiados e que os esforços para reforçar as fronteiras externas da UE precisam ser intensificados. Na última reunião entre ministros da UE, em 14 de setembro, os 28 países-membros do bloco concordaram com o plano de realocação de 40.000 refugiados que chegaram à Itália, à Grécia e à Hungria. Com o agravamento da crise, entretanto, o número subiu para 120.000.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade