Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ucrânia confirma mortes em ofensiva militar no leste

Segundo comunicado presidencial, dois militares ucranianos morreram em queda de helicóptero. Kiev também confirma baixas entre os separatistas

Por Da Redação 2 Maio 2014, 13h00

O presidente interino da Ucrânia, Olexander Turchinov, disse por meio de comunicado nesta sexta-feira que os militares ucranianos que participam da ofensiva militar sofreram duas baixas e há sete feridos, enquanto por parte dos sublevados “há baixas significativas” – reporta a rede BBC. A cidade de Slaviansk, no sudeste do país, está totalmente cercada pelas forças armadas ucranianas e Turchinov confirmou que vai continuar a operação para retomar seu controle das mãos dos separatistas pró-russos. O comunicado, porém, admite que a operação na cidade controlada pelos rebeldes “não estava indo tão rápido quanto se esperava”.

As mortes confirmadas do lado ucraniano acontecerem após a derrubada de dois helicópteros do exército ucraniano. Dois militares estavam em um dos helicópteros Mi-24 que foram abatidos por lança-foguetes portáteis. Segundo o ministério da Defesa, a ação foi obra de “grupos profissionais de sabotagem” e de “militares ou mercenários estrangeiros”. O piloto do outro helicóptero derrubado escapou com vida e foi capturado.

Leia também

Ucrânia lança ofensiva para retomar cidade ocupada

Ucrânia reintroduz o serviço militar obrigatório

Separatistas provocam Ucrânia em ensaio de fotos

Em Andriivka, cidade a apenas 10 quilômetros de Slaviansk, os habitantes receberam ao grito de “voltem para casa!” e “vergonha!” uma dezena de blindados ucranianos que estavam estacionados depois de destruir um posto de controle pró-russo. Os militares dispararam para o ar para dispersar a multidão.

Continua após a publicidade

A Rússia reagiu à ação militar de Kiev convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação na Ucrânia, que deverá acontecer no início da tarde desta sexta-feira em Nova York, indicaram diplomatas. A solicitação russa é motivada pela “grave escalada da violência no leste da Ucrânia” e a reunião será pública, informou o Ministério das Relações Exteriores russo. Este será o décimo terceiro encontro desde o início da crise ucraniana. Nenhuma das reuniões anteriores ou consultas resultaram em um consenso do Conselho sobre a questão.

Jornalistas agredidos – Três equipes de jornalistas ocidentais que cobriam a operação militar em Slaviansk foram mantidas em poder de rebeldes por algumas horas. Jornalistas das redes americana CBS e britânica Sky News e o correspondente do site Buzzfeed foram retidos na manhã desta sexta-feira em postos de controle quando tentavam entrar na cidade. A repórter da CBS Clarissa Ward contou ao canal depois da libertação que os rebeldes tinham levado sua equipe para diferentes locais. Eles tiveram os olhos vendados e as mãos amarradas. Um dos jornalistas foi agredido.

Um líder rebelde explicou que os insurgentes estavam revoltados em razão do ataque e garantiram que não fariam mal algum a eles. O correspondente do Buzzfeed, Mike Giglio, um jornalista experiente, indicou no Twitter que havia tido uma experiência parecida. Um porta-voz da Sky News confirmou que “uma equipe da Sky News foi mantida em poder dos militantes durante horas no leste da Ucrânia”.

Batalha campal – E em Odessa, no Sul do país, militantes pró-russos agrediram manifestantes pró-Kiev. Cerca de dez pessoas ficaram feridas, uma delas com gravidade. Segundo relatos de agências de notícias internacionais, uma batalha campal explodiu no centro da cidade entre manifestantes favoráveis ao governo e setores pró-russos. Milhares de manifestantes com bandeiras ucranianas e gritando palavras de ordem como “leste e oeste, juntos” se manifestavam pelo centro da cidade. Centenas de pró-russos opostos ao governo de Kiev, armados com escudos e paus, atacaram os manifestantes. Dezenas de policiais se interpuseram entre ambos os grupos, mostraram imagens de televisões locais. A polícia usou granadas de efeito moral, mas não conseguiu evitar o confronto entre os grupos.

(Com agência EFE)

Entenda a atual situação dos conflitos nas cidades ao leste da Ucrânia:

Continua após a publicidade
Publicidade