Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo Trump recua e veto não vai atingir quem tem green card

Neste sábado, autoridades federais americanas informaram que qualquer cidadão dos países proibidos pelo presidente seriam impedidos de entrar no país

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou atrás neste domingo e informou que portadores do green card, os vistos definitivos de residência, não se enquadram no veto imigratório imposto a cidadãos de sete países de maioria muçulmana. A informação foi dada pelo chefe de gabinete de Trump, Reince Priebus, em entrevista à rede NBC.

O decreto foi assinado por Trump na sexta-feira e alcança pessoas nascidas no Iraque, Iêmen, Síria, Irã, Sudão, Líbia e Somália. Trump também suspendeu o programa de recepção de refugiados durante 120 dias.

Priebus acrescentou que os cidadãos dos sete países que possuem green card podem passar por inspeção mais rigorosa ao chegarem aos Estados Unidos. Ele disse, no entanto, que a ordem executiva “não os afeta”. “A ordem executiva em si não traz mais problemas para pessoas que possuem green cards”, disse à rede de TV CBS.

De acordo com a ordem de sexta-feira, refugiados ou cidadãos daqueles sete países, mesmo com visto, estão proibidos de entrar nos EUA por pelo menos 90 dias. No sábado, um porta-voz do Departamento de Segurança Interna dos EUA disse à Reuters que a ordem “barrava portadores de green card”.

Os comentários do chefe de gabinete da Casa Branca se seguiram a uma avalanche de críticas de legisladores de ambos os partidos. Enquanto republicanos e democratas questionaram a moralidade e a implementação da medida, a administração Trump tentou descrever os obstáculos legais, o inconveniente para viajantes e as questões diplomáticas como pequenos problemas que poderiam ser resolvidos. Priebus destacou que a ordem executiva não é uma “proibição a muçulmanos”.

Neste domingo, Trump postou no Twitter: “Nosso país precisa de fronteiras sólidas e inspeções extremas, AGORA”.

Uma ordem de emergência emitida na noite de sábado por uma juíza federal impediu temporariamente os EUA de deportarem pessoas de nações sujeitas à proibição de viagens.

Na entrevista, o chefe de Gabinete de Trump afirmou que “algumas dezenas de pessoas foram retidas e eu suspeitaria que, enquanto não forem pessoas péssimas, entrarão ainda hoje”. De acordo com ele, 109 pessoas foram detidas entre os mais de 325 mil viajantes que chegaram aos Estados Unidos neste sábado.

(Com Agência France-Presse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Claudio Stainer

    Esse patife do Trump é a síntese do bestiário em Kafka. Lhe atribuo o sicofantismo de corpo presente. E suas decisões não têm volta. São de mão única. Com trocentas bombas atômicas e similares não está passando de um pivete.

    Curtir

  2. Antonio Geraldes

    Uma sugestão boba: é só o Mundo aplicar a lei da reciprocidade com ele…….não vai durar um ano na cadeira

    Curtir

  3. célio alvarenga marques

    eis que pelas ordens de crooked donald,osama bin laden(cidadão saudita)e ayman al zawahry(cidadão egípcio),fundadores da al qaeda,poderiam,em tese claro,entrar tranquilamente nos eua!deve ser coincidência o fato de que nenhum dos 7 países atingidos por essa sandice,ter negócios ou investimentos das organizações trump,ao contrário de egito,arábia saudita e líbano,por exemplo!os 19 terroristas do 11 de setembro(em sua maioria sauditas e egípcios)também não teriam problemas!esse trump é um “gênio”!e seus burros admiradores certamente continuarão zurrando “go trump”,até porque seus vocabulários são muito limitados!

    Curtir

  4. José Gonzaga da Silva

    Não sei porque esse barulho todo, governante nenhum é obrigado a deixar seu país virar a casa da mãe Joana isso tudo é para entrar numa nação que enjôo de estrangeiros que entram em seu país para receber beneces que não conseguiram implantar nos seus países de origem, parabéns Trump, verás que o Brasil tivesse governante de pulso…..

    Curtir

  5. André Morais

    Tempos difíceis. Seria essa medida a mais correta contra o terrorismo?

    Curtir