Clique e assine com até 92% de desconto

Trump posta que está ‘imune’ a Covid e Twitter diz que ele violou regras

Depois de se contaminar com o coronavírus, presidente dos EUA foi às redes sociais falar de sua recuperação

Por Felipe Branco Cruz 11 out 2020, 15h03

Depois do médico da Casa Branca, Sean Conley, afirmar no sábado, 10, que Donald Trump, não tem mais chances de transmitir o coronavírus, após se recuperar da doença, neste domingo, 11, foi a vez do próprio presidente se pronunciar. Ele disse que, agora, está “imune” ao Covid-19.

No Twitter, Trump escreve: “Aprovação total dos médicos da Casa Branca ontem. Isso significa que eu não posso pegar (imune) e não posso passar. Muito bom saber”, postou Trump nas redes sociais”. O texto, no entanto, foi marcado pelo Twitter por violar as regras da rede social sobre divulgações de notícias enganosas e potencialmente prejudiciais ao Covid-19. O texto, no entanto, não foi excluído, por ser de “interesse público”.

Twitter sinaliza que post de Trump viola regras da plataforma //Reprodução

Antes de postar o tuíte, em entrevista à Fox News, o presidente já havia afirmado que estava imune. “Parece que estou imune, não sei, talvez por muito tempo, talvez por pouco tempo, talvez por toda a vida. Ninguém sabe realmente, mas estou imune”, disse. “Vocês têm um presidente imune (…) Vocês têm hoje um presidente que não precisa se esconder em seu porão como seu adversário”, completou, ao se referir a seu adversário, Joe Biden, na campanha pela presidência do país.

O presidente também sugeriu que o adversário Joe Biden poderia estar contaminado com o coronavírus, embora o candidato faça testes diários e todos eles tenham dado negativo até o momento. “Olhe para o Joe, ele tossia terrivelmente ontem (sábado), aí ele pegava a máscara, depois tossia”, disse ele. “Não sei o que isso significa, mas a imprensa não tem falado muito sobre isso”, afirmou.

No sábado, Trump fez um discurso sem máscara na sacada da Casa Branca para apoiadores que estavam no jardim da residência oficial do presidente. Na ocasião, ele voltou a chamar a doença de “vírus chinês”.

Continua após a publicidade
Publicidade